Punhei eu muit'em me guardar

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Punhei eu muit'em me guardar
por Joan Soairez Somesso


Punhei eu muit'em me guardar,
quant'eu pude, de mia senhor,
de nunca 'm seu poder entrar;
pero forçou-mi o seu amor
e seu fremoso parecer,
e meterom-m'em seu poder,
em que estou, a gram pavor
  
de morte, com'em desejar
(ben'o sabe Deus) la melhor
dona do mund'e nom ousar
falar com ela. E maior
coita nunca vi de sofrer,
ca esta nunca dá lezer,
mais faz cada dia peor.
  
Ca todavia creç'o mal
a quem amor em poder tem,
se nom é sa senhor atal
que lhe queira valer por en.
Mais atal senhor eu nom hei,
nem atal dona nunc'amei
onde gãar podesse rem,
  
senom gram coita e nom al.
E por esto perdi o sem
por tal dona que me nom val!
E pero nom direi por quem;
mais per muitas terras irei
servir outra, se poderei
negar esta que quero bem.