Que ande o mundo mascarado

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Torna o poeta a dar outra volta ao mundo com esta segunda crisi.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsA Musa Praguejadora

1Que ande o mundo mascarado
jogando conosco o entrudo,
e que cada qual sisudo
ande atrás dele esgalgado!
que nenhum desenganado
este patifão conheça,
e que lhe quebre a cabeça
para ter dele vitória!
Boa história.

2 Mas que alguns queiram viver
vida tão bruta, e tão fera,
como que se não houvera
mais que nascer, e morrer:
que estes mesmos queiram ser
tão nobres, tão absolutos,
como desbocados brutos
correndo pela carreira!
Boa asneira.

3 Que haja turcos belicosos
filhos da perversidade,
havendo na cristandade
Monarcas tão poderosos:
que não se juntem zelosos
para prostrar seus furores,
mandando-se embaixadores
de eloqüência persuasória!
Boa história.

4 Mas que haja com mais extremos
entre cristãos batizados
sacrílegos, renegados,
ímpios, judeus, e blasfemos:
que algum cristão (como vemos)
dos tais seja muito amigo,
tendo tão grande perigo
de pagar-se-lhe a manqueira!
Boa asneira.

5 Que tantas almas pereçam
hoje entre gentios vários,
por não haver Missionários,
que em convertê-los mereçam:
que muitos não se ofereçam
para esta santa conquista,
bem que o inferno o resista
com sugestão dissuasória!
Boa história.

6 Mas que muitos professores
da lei católica, e santa
se metam pela garganta
dos infernos tragadores:
que por uns tristes amores,
ou por uns negros tostões
vão para eternos tições
lá na hora derradeira!
Boa asneira.

7 Que muitos salvar-se esperem,
os bens alheios devendo,
e uma ocasião retendo,
porque emendar-se não querem:
e que jamais considerem,
que deixar a ocasião
é para uma confissão
circunstância obrigatória:
Boa história.
 
8 Mas que quando alguns resolvam
confessar os seus delitos,
que hajam tantos imperitos
confessores, que o absolvam:
que com eles se revolvam
no estígio, que mereceram,
porque estes tais absolveram
sem disposição inteira:
Boa asneira.

9 Que no estado secular,
onde houve mais de mil Santos,
haja hoje tantos, e tantos,
que se não sabem salvar:
que estes não queiram cuidar
na celestial ventura,
havendo uma pena dura,
eterna, e cominatória!
Boa história.
 
10Mas que nas Religiões
alguns Frades maus Letrados
sejam de Deus reprovados
pelas suas eleições:
que andam com perturbações
por amor das prelazias,
e depois de breves dias
se acham na estígia caldeira
Boa asneira.

11Que algum Frade, que se cobre
na santa comunidade,
no tempo, que é pobre frade,
não queira ser frade pobre:
que ao mesmo tempo lhe sobre
o dinheiro equivalente
para alcançar facilmente
a valia impetratória!
Boa história.

12Mas que um Frade de mais fundo
por causa de certos mandos
se queira meter em bandos,
qual se fora vagabundo:
que podendo ir cá do mundo
ao céu vestido, e calçado,
vá descalço, e remendado
para uma infernal Leoneira!
Boa asneira.

13Que haja pregador noviço,
que estude alheios sermões,
só para juntar dobrões,
porque os ajunta por isso:
que cuide muito remisso,
que poderá bem pregar
sem teologia estudar,
ou sem saber a oratória!
Boa história.

14Mas que haja mais pregadores,
que estudando resolutos,
não tratem de colher frutos,
porém só de escolher flores:
que sendo estes tais doutores
preguem conceitos galantes,
bem como os representantes
na comédia prazenteira?
Boa asneira.

15Que os rústicos montanheses
não saibam nunca a doutrina,
porque também nunca a ensina
o Pároco a seus fregueses:
que lhes diga muitas vezes
patranhas, e histórias tantas,
mas nunca as palavras santas,
e a doutrina exortatória!
Boa história.

16Mas que Amariles mui vã
saiba muito bem de cor,
toda a cartilha de amor,
não a doutrina cristã:
que se vá pela manhã
na quaresma à confissão,
e por não sabê-la então
vá para casa à carreira!
Boa asneira.

17Que o Juiz pelo respeito
profira a sentença absorto,
fazendo o direito torto,
mas isto a torto, e direito:
que cuide, que pode o feito
no agravo, ou na apelação
melhorar na Relação
só pela conservatória!
Boa história.

18Mas que o Juiz da ciência
por causa de alguns respeitos
não faça exame nos feitos,
por forrar o da consciência:
que o tal com muita insolência
por descuido, ou por preguiça
não reforme esta injustiça
da sentença lisonjeira!
Boa asneira.

19Que Juizes mentecaptos
sabendo jurisprudência
castiguem uma inocência
como fez Pôncio Pilatos:
que para certos contratos
o réu, que a si se condena
absolvam de culpa, e pena
com uma interlocutória!
Boa história.

20Mas que outros com vozes mudas
levados da vil cobiça
vendam a mesma justiça,
como a vendeu o mau Judas:
que com razões tartamudas
indo de mal em pior
não dêem conta ao confessor
da sentença trapaceira!
Boa asneira.

21Que o Letrado lisonjeiro
venda, fazendo negaças
em almoeda as trapaças,
e por muito bom dinheiro:
que diga, que é verdadeiro
porque tem famosas partes
pelas suas grandes artes,
pela cota dilatória!
Boa história.

22Mas que o Ministro o suporte,
porque isto na alçada cabe,
ou pelo que ele só sabe,
tantas dilações não corte:
que primeiro chegue a morte,
e o juízo universal,
do que a sentença final
de uma demanda ligeira!
Boa asneira.

23Que haja causas inda assim
na Legacia piores,
porque entre réus, e entre autores
são causas, que não têm fim:
que se conseguis o fim
de vir em breve um rescrito,
o tempo seja infinito,
e eterna uma compulsória!
Boa história.

24Mas que alguns com tal porfia
queiram com raivas internas,
sendo a parte por eternas
demandas na Legacia:
que hajam muitos cada dia,
que gastem seus benefícios
simples nestes exercícios
trepando uma, e outra ladeira!
Boa asneira.

25Que haja Escrivães que mal lêem
Letra, que bem se soletra,
e que fazendo má Letra,
contudo escrevem mui bem:
que a este dando o parabém
as alvíssaras lhe peçam,
e a estoutro logo despeçam
com ficção consolatória!
Boa história.

26Mas que haja algum, que trabalha
toda a vida sem proveito,
e que logo faça um pleito
sobre dá cá aquela palha:
que queira em civil batalha
perder a fazenda, e vida
nas trapaças consumida,
com quem lhe faz a moedeira!
Boa asneira.

27Que andam muitos em conjuro
para cometerem vícios,
roubando nos seus ofícios,
e com cartas de seguro,
que estes, dos quais eu murmuro,
não vão todos a enforcar,
só porque sabem roubar
com sua astúcia notória!
Boa história.

28Mas que andem muitos espertos
esganados como galgos,
por parecerem fidalgos,
sendo ladrões encobertos:
que estando estes mesmos certos,
que os conhecem muito bem,
não se lhes dêem de ninguém,
nem isto lhes dê canseira!
Boa asneira.

29Que haja médicos, que tratam
só de jogos, e de amores,
sendo como os caçadores,
que vivem só, do que matam:
que estes, que não se recatam,
venham com pressa esquisita,
vão-se, e está feita a visita
depois da purga expulsória!
Boa história.

30Mas que outros, que põem à raça,
e se prezam de estafermos,
não o tomando aos enfermos,
só tomem o pulso à casa:
que haja enfermo, que se abrasa
em febre, e dores mortais,
e que se cure com tais,
que só estudam na frasqueira!
Boa asneira.

31Que haja Poetas ocultos
nas sombras da poesia,
fugindo da luz do dia.
e que estes se chamem cultos;
que sendo loucos, e estultos,
por natural tenebrosos
queiram, que os chame lustrosos
a fama celebratória!
Boa história.

32Mas que muitos os defendam
pelos seus gênios bem raros
chamando-os belos, preclaros,
suposto que os não entendam:
que os tais imitar pertendam
a poesia de Angola,
cuja catinga os consola,
qual mandioca negreira!
Boa asneira.

33Que haja muitos pertendentes,
só porque têm prendas boas
nas arcas, não nas pessoas,
que a todos fazem presentes:
que consigam diligentes,
quanto quer o seu intento,
por lhes dar merecimento
a carta condenatória!
Boa história.

34Mas que outros mil alentados,
que andaram pelas campanhas
fazendo muitas façanhas,
andem tão esfrangalhados:
que sendo uns pobres coitados
queiram pertender também,
não se lhes dando a ninguém,
que andassem pela fronteira!
Boa asneira.

35Que um marido perdulário
perca o dote da mulher,
e depois de pouco ter,
gaste mais do necessário:
que se ponha temerário
depois a gritar com ela,
fazendo-lhe a remoela
com a praga imprecatória!
Boa história.

36Mas que outro com tanto estudo
ame a mulher, que lhe agrada,
que o marido mande nada,
mas que a mulher mande tudo:
que se ponha mui sisudo
em casa a lisonjeá-la,
e que depois vá gabá-la
a seus amigos na feira!
Boa asneira.

37Que um pai a seu filho ensine
a ser vingativo, e vão,
porém nunca a ser cristão,
nem na cartilha o doutrine:
que o tal Pai se determine
a levá-lo por seu rogo
rapaz à casa do jogo
a pôr-se na pasmatória!
Boa história.

38Mas que outro mais esquisito,
se o filho só andar ousa,
o permita: é bela cousa!
Sendo rapaz: é bonito!
que o deixe de pequenito
andar em más companhias
para que ele em breves dias
vá cair na ratoeira!
Boa asneira.

39Que o Pai pela descendência
do filho, ou do seu aumento
meta a filha num convento
freira da conveniência:
que não faça consciência,
se a casá-la o persuade,
de lhe forçar a vontade,
e com ordem peremptória!
Boa história.

40Mas que o Pai, que filha tem
única, a não vá casar,
por se não desapossar,
se dote lhe pede alguém:
que faça com tal desdém,
que a filha ande às furtadelas
buscando pelas janelas
alguém, que traz cabeleira!
Boa asneira.

41Que os Pais andem pelos cantos
namorando de contino,
e queiram com este ensino
que os seus filhos sejam Santos:
que eles então façam prantos,
se os vêem mortos numa briga,
vindo de casa da amiga,
e da amante parlatória!
Boa história.

42Mas que haja Pais de tal sorte,
que seu filho o quer roubar,
o não deixem castigar
para escarmento da Corte:
que se o Ministro de porte
o quer desterrar, então,
o Pai chorando o perdão
lhe solicite, e requeira!
Boa asneira.

43Que Mãe desde pequenina
ensine a filha a ser vã,
não a doutrina cristã,
sendo cristã sem doutrina:
que a costume de menina
à moda, ao donaire, à gala,
e lhe ensine por amá-la
até cantiga amatória!
Boa história.

44Mas que outra Mãe sem cautela
a filha crie com vício
sem outro algum exercício
mais, do que o pôr-se à janela:
que queira, que uma donzela
seja honesta, e recolhida,
quando não tem outra vida
mais do que ser janeleira!
Boa asneira.

45Que alguns queiram Senhoria,
quando aos tais (como se vê)
o tratá-los de mercê
fora muita cortesia:
que ande pois a fidalguia
vendida assim por dinheiro,
só porque há nisso vanglória!
Boa história.

46Mas que outros tendo tostões
pelo jogo, ou pela dama
arrastados pela lama
andam como uns pedinchões:
que gastassem seus dobrões,
porque quiseram jogar,
e só para namorar
com a patifa terceira!
Boa asneira.

47Que alguns tanto por seu mal
vistam (por não ser comuns)
de altos, e ricos tissuns,
destruindo o cabedal:
que com porfia fatal
se mostram nisso empenhados,
sendo a noite os seus guisados
azeitonas, e chicória!
Boa história.

48Mas que outros mil à porfia
por toda a vida o dinheiro
ajuntem, que o seu herdeiro
há de gastar num só dia:
que andem com melancolia
sem comer, e sem cear
para poder ajuntar
todos cheios de lazeira!
Boa asneira.

49Que haja muitos ateístas,
que pelos costumes seus
não crêem, no que disse Deus
pelos quatro Evangelistas:
que só vivam Dogmatistas,
cuidando por seu prazer,
que há só nascer, e morrer,
não crendo no inferno, e glória!
Boa história.

50Mas que outros (como se vê)
sejam com hipocrisia
só cristãos por cortesia,
ou fiéis de meia-fé:
que inda que febre lhes dê,
não tratem da confissão,
cuidando, que escaparão
com a amiga à cabeceira!
Boa asneira.

51Que alguns fantásticos vãos,
aos quais o vício consome,
sendo só cristãos no nome,
queiram nome de cristãos:
que aos céus levantando as mãos
esperam com muita fé,
que Deus os salve, sem que
obra tenham meritória!
Boa história.

52Mas que hipócritas sandeus
andem rezando, e no cabo
a todos leve o diabo
pelo caminho de Deus:
que pelos rosários seus
queiram ser homens de conta,
sem cuidar na estreita, e pronta,
que hão de dar da vida inteira!
Boa asneira.

53Que haja certas mercancias
não de cousas temporais
mas de outras espirituais,
que se chamam simonias:
que haja, quem todos os dias
com modo tão peregrino
seja Ladrão ao divino
com tão falsa narratória!
Boa história.

54Mas que o rico prebendado
que postilou nas escolas,
não pague as suas esmolas
ao pobre necessitado:
que por amor do Cunhado,
ou por causa dos Sobrinhos
venha a cair de focinhos
na sempiterna esterqueira!
Boa asneira.

55Que o riso despreze o pobre,
só porque tem mais vinténs,
sendo o pobre inda sem bens
talvez mais honrado, e nobre:
que por ter dois réis de cobre,
se finja, que vem dos Godos,
quando conhecemos todos,
que é de estirpe pescatória!
Boa história.

56Mas que o pobre, que não tem,
que comer, ou que gastar,
nem tem sangue, nem solar,
seja soberbo também:
que não tenha um só vintém,
e se inche como pirum,
conhecendo cada um,
que fora a Mãe taverneira!
Boa asneira.

57Que alguns tanto a gastar venham
na vida de toda a sorte,
que depois chegando a morte,
com que enterrar-se não tenham:
com estes tais, que assim se empenham
em todo o gosto, e prazer,
não cuidem, que hão de morrer,
nem tenham disso memória!
Boa história.

58Mas que outros com muita lida
edifiquem mausoléus,
mas não morada nos céus,
vãos na morte, e vãos na vida:
que a soberba sem medida
fique em pedras estampada,
e a pobre da alma coitada
que perneie na fogueira!
Boa asneira.

59Que aqueles, que não têm renda,
e usam porém de tramóias,
possuam telas, e jóias,
como o que tem a comenda:
que com estes não se entenda,
inda que estejam culpados,
mas que sejam celebrados
na lisonja laudatória!
Boa história.

60Mas que outros com muitos bens
andem (não sei como o diga)
com a sela na barriga
sem ter um par de vinténs:
que padecendo vaivéns
gastem tudo como tolos,
e em doces, e bolinholos
despejem sua algibeira!
Boa asneira.

61Que os lisonjeiros sem leis
nos palácios muito prontos
aos Reis se vão com mil contos,
por ter mil contos de réis:
que sendo pouco fiéis
tenham glória, e tenham graça
com tão verdadeira traça,
e mentira adulatória!
Boa história.

62Mas que o pobre jovial
chocarreiro de vis traças
queira com fingidas graças
entrar na graça Real:
que quando ele nada val,
entre assim no valimento,
para o seu requerimento
com a gracinha grosseira!
Boa asneira.

63Que haja ingratos descuidados,
os quais nunca as graças dão
do benefício, ou pensão,
sendo uns beneficiados:
que estes andem retirados,
de quem lhes faz tanto bem,
porque as graças lhe não dêem,
que é lei remuneratória!
Boa história.

64Mas que outros muito piores
(quando tal lhes não merecem)
finjam, que eles não conhecem
os seus mesmos benfeitores:
que tendo alguns acredores
queiram livrar do perigo
pelo benfeitor antigo
com a súplica embusteira!
Boa asneira.

65Que haja muitos, que se pintam
de verdadeira piedade,
os quais falando verdade,
nunca falam, que não mintam:
que estes mesmos não consintam,
que os enganem, mas primeiros
se intitulam verdadeiros
com mentira defensória!
Boa história.

66Mas que tenham fatal ira,
se os apanham, tendo pronta
a verdade por afronta,
e por crédito a mentira:
que com raiva, que delira,
façam na razão teimosa
a verdade mentirosa,
e a mentira verdadeira!
Boa asneira.

67Que juradores parleiros
hajam, que sem medo algum
pela manhã em jejum
comam diabos inteiros:
que eles sejam os primeiros
(bem que a verdade não digam)
que o bom crédito consigam
para toda a rogatória!
Boa história.

68Mas que haja algum, que imprudente
dê credito a seus clamores,
vendo, que são juradores,
pois quem mais jura mais mente:
que logo tão facilmente
se creia com tal loucura,
o que dizem, sendo a jura
da mentira pregoeira!
Boa asneira.

69Que haja muitos, que murmurem
daqueles, que estão ausentes,
e os que ali se acham presentes,
que calados os aturem:
que advertidos não procurem
mudar de conversação
fugindo à murmuração
de uma língua infamatória!
Boa história.

70Mas que outros mil sem receios
não vejam por ter antolhos
a grande trave em seus olhos,
vendo a palha nos alheios:
que estando estes próprios cheios
de lepra, com que se tingem,
olhem para a alheia impingem,
tendo tão grande coceira!
Boa asneira.

71Que versistas a milhares
queiram só por seu regalo
andar no alado cavalo,
devendo ser alveitares:
que intentem por singulares
todo o aplauso, que mais campa,
e depois saiam na estampa
com uma destampatória!
Boa história.

72Mas que estes de tão má veia,
quando a ignorância lhes sobra,
saindo mal da sua obra,
se metam em obra alheia:
que quando essoutra recreia,
por inveja a satirizem,
e que todo o mundo avisem
da sátira frioleira!
Boa asneira.

73Que haja mil de escornicoques,
que com satíricos modos
zingando estejam de todos:
e que não temam mil coques:
que falando com remoques,
eles não queiram ser tidos
por toleirões, e atrevidos,
tendo uma língua irrisória!
Boa história.

74Mas que outros muitos Orates
da venerável igreja
façam casa de cerveja
com risos, e disparates:
que pareçam bonifrates,
as cabeças meneando,
e acenem de quando em quando
à Dama, que está fronteira!
Boa asneira.

75Que alguém junte cabedais
para testar, o que em breve
diga: o diabo te leve,
porque não deixastes mais:
e que, a quem com razões tais
ao diabo os encomenda
deixe este a sua fazenda
a principal, e acessória!
Boa história.

76Mas que outro rico avarento
(bem que ouro, e prata lhe sobre)
não saiba dar nada ao pobre
com moedas cento a cento:
que deixe em seu testamento
tudo ao mais rico vizinho,
ou quando muito ao Sobrinho,
para andar numa liteira!
Boa asneira.

77Que haja muitos, que às centenas
entre os amigos, e sócios
façam bem os seus negócios,
cometendo mil onzenas:
que conhecendo-se as penas,
que pelo direito têm,
não os demande ninguém
cuma carta citatória!
Boa história.

78Mas que o outro em confiança
diga, que vende o seu trigo
mais barato a seu amigo,
metendo-lhe então a lança:
que o tal lhe faça a fiança
por ser amigo leal,
roubando-lhe o cabedal
essa amizade onzeneira!
Boa asneira.

79Que haja, quem faltando às Leis
seja traidor por um rogo,
não se lhe dando no jogo
nem de Roques, nem de Reis:
que tenha ambições cruéis
sabendo, que inda que cresça,
não levantará cabeça
pela lei impetratória!
Boa história.

80Mas que inda que se atropele,
e de tal se não desvie,
que haja, quem dele se fie,
e quem se troça por ele:
que não tema a sua pele
vendo, que lha surraram
só pela sua ambição
tão fatal, e interesseira!
Boa asneira.

81Que haja muitos pandilheiros,
os quais às mil maravilhas
saibam fazer as pandilhas,
que em Castela são fulheiros:
que só por interesseiros
sejam ladrões mui honrados,
mas nunca são enforcados,
porque isso é graça ilusória!
Boa história.

82Mas que outros sabendo bem
que há no jogo esta destreza,
só por uma sutileza
entreguem tudo, o que têm:
que o cabedal todo dêem
ao tal, que nesta conquista
os está roubando a vista
despacio, mais à ligeira!
Boa asneira.

83Que andem muitos namorados
qual ave de rama em rama
atrás de uma, e outra Dama
morrendo por seus pecados:
que por ter estes cuidados
andem toda a noite escura
só por dizer com ternura
à Dama a jaculatória!
Boa história.

84Mas que alguém pague às espias
para ter Freiras devotas,
e depois de mil derrotas
ande pelas portarias:
que ande este todos os dias
com cargas, e sem carreto,
e tendo-se por discreto
seja o burrinho da feira!
Boa asneira.

85Que os adúlteros adorem
a alheia mulher, que vêem,
e não queiram, que também
outros a sua namorem:
que então neste caso implorem
à Justiça, ou à vingança,
e não queiram sem tardança
outra ação acusatória!
Boa história.

86Mas que uma mulher casada,
sendo o Marido um corisco,
pondo-se a tamanho risco
seja louca enamorada:
que se acaso alguém lhe agrada,
com marido turbulento
busque o seu divertimento
como uma mulher solteira!
Boa asneira.

87Que ande o moço em mau estado
podendo nos anos seus
ser desposado com Deus,
e não co demo amigado:
que não tenha outro cuidado,
mais que em viver absoluto,
tratando só como bruto
desta vida transitória!
Boa história.

88Mas que o velho, que renova
os seus vícios namorando
vá falar à Dama, quando
anda cos pés para a cova:
que este mesmo com corcova
queira ser galã narciso
motivando a gente a riso,
cacundo em grande maneira!
Boa asneira.

89Que haja muitos medianeiros
do mal, que chamam francês
os quais em bom português
dos pecados são terceiros:
que estes muito lambareiros
tenham com todos caída,
e levem tão boa vida,
sendo tão criminatória!
Boa história.

90Mas que estes pobres tolinhos,
de que tratos há do mundo,
caiam no inferno profundo
pelas culpas dos vizinhos:
que por tão feios caminhos
sejam solicitadores,
e se façam Lavradores
de uma infernal sementeira!
Boa asneira.

91Que os valentões arrojados
andem feitos tranca-ruas
com suas espadas nuas
comendo a gente a bocados:
que os Ministros alentados
se os prendam, quais delinqüentes,
digam, que estão inocentes
na sentença executória!
Boa história.

92Mas que outros andem de noite,
morando perto o Juiz,
roubando, como se diz,
dando em todos muito açoite:
e não haja, quem se afoite
com quadrilhas agarrá-los,
para um algoz cavalgá-los
com capuz, e com coleira!
Boa asneira.

93Que alguns, bem que os não encanta
a música celestial,
gastem todo o cabedal
em bons passos de garganta:
que os tais com gula, que espanta,
se o mundo fora guisado
o comeram de um bocado,
qual pequena pepitória!
Boa história.

94Mas que haja, quem facilmente
dinheiro fie dos tais,
que vai para o vós reais
logo todo incontinente:
que o credor cuide contente,
que bem empregado está,
estando o dinheiro já
em casa da confeiteira!
Boa asneira.

95Que andem muitos à porfia,
que merecem muito açoite,
fazendo do dia noite,
da noite fazendo dia:
que durmam com demasia
té o dia anoitecer,
querendo assim bem viver,
mas com vida implicatória!
Boa história.

96Mas que outros com muito espanto
trabalhem sempre à porfia,
isto todo o santo dia,
inda sendo o dia Santo:
que tenham trabalho tanto
para poder ajuntar,
não tendo para testar
nem herdeiro, nem herdeira!
Boa asneira.

97Que haja alguns, que se consomem
inda com vício mais feio,
que por não comer o alheio
logo de inveja se comem:
que sua ambição não domem,
e que dos outros o aumento
aos tais sirva de tormento
com pena meditatória!
Boa história.

98Mas que outros, que se desfazem,
porque não têm sendo nobres,
façam muito por ser pobres,
isto porque nada fazem:
que com fome estes se abrasem,
que tanto mal ocasiona,
sendo a preguiça potrona
da pobre da companheira!
Boa asneira.

99Que alguém que aqui se consome
com a sátira abundante,
diga, que está mui picante,
mas quem se queima, alhos come:
que este por si mesmo a tome,
quando eu falando bem claro,
a ninguém hoje declaro
nesta carta monitória!
Boa história.

100Mas que outros por vários modos
satirizem muito bem,
e sem monir a ninguém
queiram declarar a todos
que estes tais com mil apodos
assim queiram ganhar fama,
quando a dos outros se infama,
levantada tal poeira!
Boa asneira.

101Que haja sem livros Letrado,
homem, que é pobre, com teima,
poeta, sem muita fleima,
e sem muleta aleijado:
que haja sem funda quebrado,
estudante sem estudo,
cavalheiro sem escudo,
e mestre sem palmatória!
Boa história.

102Mas que haja nos fracos ira,
e nos que são pobres gula,
que haja médico sem mula,
e fidalgo com mentira:
que haja espingarda sem mira,
sem tesoura cirurgião,
com partidos matassão,
e sem contas merceeira!
Boa asneira.

103E que eu também queira enfim
no poético exercício,
que entre outros do mesmo ofício
algum diga bem a mim:
que não tema algum malsim,
que fiscalize os meus versos,
e com apodos diversos
diga, que têm muita escória!
Boa história.

104Mas que eu mesmo furibundo
nisto, que hoje aqui pertendo,
quando a mim me não entendo,
intente emendar o mundo:
que não tendo muito fundo,
para que possa falar,
quanto mais para emendar,
fundar tais acentos queira!
Boa asneira.

105Que os consoantes se acabem,
tendo eu muito, que escrever,
e de outros mais que dizer,
para que nenhuns se gabem:
que as cousas, que aqui não cabem,
eu as haja de calar,
porque as não pode explicar
minha Musa exortatória!
Boa história.

106Mas que eu fizesse hoje estudo
para cousas importantes,
por estéreis consoantes,
que não podem dizer tudo:
que algum diga carrancudo,
quando escrevo para todos,
que não falo em cultos modos,
mas em frase corriqueira!
Boa asneira.