Quem bõa dona gram bem quer

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quem bõa dona gram bem quer
por Joan Soairez Somesso


Quem bõa dona gram bem quer,
de pram, todo dev'a sofrer
quanto lh'ela quiser fazer;
e se lh'algum pesar fezer,
ben'o dev'a sofrer em paz
e mostrar sempre que lhe praz
de quanto a ela prouguer.
  
E pois que lh'esto feit'houver,
outro conselho há i d'haver:
guardar-se bem de lho saber
por rem nulh'homem nem molher,
ca tod'est'em dereito jaz;
e se lh'hom'aquesto nom faz,
de mais viver nom lh'é mester.
  
Mais pero quen'a servirá
quanto a mais poder servir,
pola nom poder encobrir,
por esto, por que morrer[á]?
Non'o dev'a leixar morrer,
ca nom est hom'em seu poder,
pois que gram coita d'amor há.
  
Mais por qual guisa poderá
os seus olhos dela partir
home coitado, poila vir?
Ca todo [seu] sem perderá
com gram sabor de a veer!
Ca 'ssi o faz a mim perder
Amor – tam gram coita me dá!