Quem polluiu, quem rasgou os meus lençoes de linho

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quem polluiu, quem rasgou os meus lençoes de linho
por Camilo Pessanha
Poema publicado em Clepsydra

Quem polluiu, quem rasgou os meus lençoes de linho,
Onde esperei morrer,—meus tão castos lençoes?
Do meu jardim exiguo os altos girasoes
Quem foi que os arrancou e lançou no caminho?

Quem quebrou (que furor cruel e simiêsco!)
A mesa de eu cear,—tabua tôsca de pinho?
E me espalhou a lenha? E me entornou o vinho?
—Da minha vinha o vinho acidulado e fresco...

Ó minha pobre mãe!... Não te ergas mais da cova,
Olha a noite, olha o vento. Em ruina a casa nova...
Dos meus ossos o lume a extinguir-se breve.

Não venhas mais ao lar. Não vagabundes mais.
Alma da minha mãe... Não andes mais á neve,
De noite a mendigar ás portas dos casaes.