Quem quiser comprar uma vida

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quem quiser comprar uma vida
por Anónimo
Cantiga renascentista portuguesa do Cancioneiro de Paris.


Quem quiser comprar uma vida,
Em que vive todo mal,
Dar-se-lh'á polo que val.

E não lhe pareça alguém,
Que se vende por perdida,
Porque é vida que dá vida,
A quantos males lhe vem.
Deve-se de comprar bem,
Porque muito preço val,
Quem pode com tanto mal.

Esta vida que se vende,
É de calidade tal,
Que quando cresce mais mal,
Em tão muito mais s'estende.
Vida que jamais se rende,
A nenhum golpe mortal,
Que vos parece que val.

Nenhuma uma esperança,
Crede que se lhe afigura,
Nem em cousas da ventura,
Tem alguma confiança.
Eia senhores que lança,
Em vida que tanto val,
Que pode com todo mal.