Quero ser livre insincero

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quero ser livre insincero
por Fernando Pessoa


Quero ser livre insincero
Sem crença, dever ou posto.
Prisões, nem de amor as quero.
Não me amem, porque não gosto.

Quando canto o que não minto
E choro o que sucedeu,
É que esqueci o que sinto
E julgo que não sou eu.

De mim mesmo viandante
Olho as músicas na aragem,
E a minha mesma alma errante
É uma canção de viagem.