Quisera-m'ir - tal conselho prendi

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quisera-m'ir - tal conselho prendi
por Airas Carpancho


Quisera-m'ir - tal conselho prendi,
e foi coitad'e tornei-me por en;
e tod'home que me conselhar bem
conselhar-mi-á que more sempr'aqui:
por um dia que mia senhor nom vi,
d'atant'houver'a morrer com pesar.
       Quem me quiser venha-m'aqui buscar.
  
Tod'home que souber meu coraçom
nulha culpa nom me dev'apoer
por eu morar u podesse veer
a mia senhor, por que moiro: ca nom
m'hei a partir daqui nulha sazom,
aguardando que lhe possa falar.
       Quem me quiser venha-m'aqui buscar.
  
Nostro Senhor! E quem me cousirá
daqui morar? Ca já ir-me cuidei
e foi coitado como vos direi:
que nunca já tam coitado será
home no mundo; e mais vos direi já:
doutra tal coita me quer'eu guardar.
       Quem me quiser venha-m'aqui buscar.
  
Deu'lo sabe que me quisera ir,
de coraçom, morar a cas d'el-rei!
Mais direi-vos o por que o leixei:
por amor, que mi o nom quis consentir.
E pois amor nom me leixa partir
da mia senhor, nem daqueste logar,
       quem me quiser venha-m'aqui buscar.