Reflexões sobre a Vaidade dos Homens/CIV

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Reflexões sobre a Vaidade dos Homens por Matias Aires
[104]


O amor é um influxo da beleza, por isso esta raras vezes anda solitária e quási sempre a acompanha o amor: agradável mas louca companhia; apetecida, mas traidora felicidade! Compõe-se a fermosura de uma certa modulação das partes; obra mais do acaso, que de um cuidado especial da natureza; mas porém deve admirar-se um instrumento, cujas cordas só produzem harmonia; assim é a fermosura; e é pouco de estimar aquele, de donde só resulta dissonância; assim é a fealdade. A fermosura reside em uma forma exterior; o amor parece que é um efeito da vontade, ou do desejo; aquela mostra-se, porém este esconde-se; este é invisível, porém aquela vê-se: a fermosura pode dizer-se o como é, porém o amor não; porque quem o tem, sente sem saber o quê, e quem o não tem, ainda o conhece menos.