Reflexões sobre a Vaidade dos Homens/XXXVIII

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Reflexões sobre a Vaidade dos Homens por Matias Aires
[38]


Oh quanto é especiosa a tranquilidade do destro! Lá não há ódio, nem soberba; não há crueldades nem inveja: estes monstros são feras invisíveis, que habitam entre nós, para serem ministros fatais das nossas discórdias e das nossas aflições; nascem da nossa sociedade, e se sustentam da nossa mesma comunicação: por isso a virtude costuma fugir ao tumulto, porque a nossa maldade não é pelo que toca a cada um de nós, mas pelo que respeita aos outros: somos perversos por comparação; e reciprocamente uns servimos de objecto às iniquidades dos outros; a vaidade sempre foi origem dos nossos males; mas primeiro que a vaidade, foi o comércio comum das gentes; porque dele resulta a vaidade como contágio contraído no trato, e conversação dos homens. O nosso entendimento facilmente se inficiona, não só com as opiniões próprias, mas também com as alheias; não só com as próprias vaidades, mas também com as dos outros. Não sei se seria mais útil ao homem o ser incomunicável.