Rosa, rosa de amor (1902)/Horas de amor

Wikisource, a biblioteca livre
< Rosa, rosa de amor (1902)

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Esta obra há sido completamente validado.

    Só vivo as horas que passo
    Junto de ti, meu amor,
    Tua cintura em meu braço,
Meu beijo em tua bocca em flor...

    Só assim vivo, querida,
    Pois tudo mais não é vida.




    Ventura que mal gotteja,
    Triste do amor que se esconde,
    E só acha de onde em onde
    Um acaso que o proteja;

    Só alcanço o teu carinho
    Nesta sombra de folhagem,
    Onde, como ave selvagem,
    Nosso amor tem o seu ninho.

    Por entre as moitas vagueio,
    Caminho, paro, indeciso...
    Virás ou não? E agoniso
    Entre a esperança e o receio.

    Por toda a floresta, cheia
    De um rumor vago e perdido,
    Cuido escutar o ruido
    Dos teus pésinhos na areia.

    Volto-me sobresaltado
    Só porque uma ave deteve
    O vôo, e um ramo, de leve,
    Estremeceu ao meu lado.

    E emquanto na sombra curto
    Essa impaciencia hesitante
    Por ternuras de um instante,
    Por beijos dados a furto,

    Cheio de inveja reparo
    Nas borboletas que em bando
    Passam felizes, amando
    Na plena luz do sol claro...

    Ventura que mal gotteja,
    Triste do amor que se esconde,
    E só acha de onde em onde
    Um acaso que o proteja.

    Amor que a sombra encarcera,
    E foge ao sol e ás estradas...
    Fossemos nós de mãos dadas
    Pela vida e a primavera!

    De subito, ouço teus passos:
    D’entre folhagens de arbusto
    Olhas, tremula de susto,
    Caes palpitante em meus braços.

    E como a cançada abelha
    Que suga a flor, e adormece,
    Meu beijo poisa, e se esquece
    Em tua bocca vermelha...




    Logro só de espaço a espaço
    Algum momento de amor,
    Tua cintura em meu braço,
Meu beijo em tua bocca em flor.

    Ai, eu só vivo, querida,
    Pedaços da minha vida...