Se vós fôreis tão ousado

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A hum alferes que indo prezo perante o seu auditor, saltou das suas janellas, de que quebrou os quadris e se foy homiziar em S. Francisco.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsEspada e Espadilha

1Se vós fôreis tão ousado
nos militares assaltos,
como sois destro nos saltos,
fôreis um grande soldado:
mas eu tenho averiguado,
quão distinto vem a ser
saltar para escafeder,
de assaltar para triunfar,
vós saltais por escapar,
não assaltais por vencer.
  
2Lançastes-vos brutamente,
e ao cairdes na razão,
como caístes no chão,
fôreis discreto, e prudente:
ficou espantada a gente,
vendo, que apenas caístes,
quando às carreiras fugistes,
e é, que os que se confundiram,
por entonces não caíram,
no aperto, em que vos vistes.
  
3Cair sem susto, ou pavor,
levantar, correr, fugir,
é ser corrente em cair,
como qualquer pecador:
porém fora-vos melhor
não cair na falta, em que
caístes, faltando à fé,
e verdade tão devida,
a quem por essa caída
 subir vos pode à polé.
  
4Dizem, que estais retraído
curando-vos de quebrado
com que hoje sois mal soldado
porque ontem fostes rompido:
tenho por melhor partido,
que em casa do Provedor
assente praça um Tambor,
que vós, quando escafedeis,
a de soldado assenteis
na calçada do Ouvidor.
  
5Bom será, que vos cureis
nesse convento Sagrado,
donde saindo soldado,
força é, que o posto deixeis:
quando o venablo encosteis,
que eu vo-lo aprovo, e concedo,
vos advirto em tal enredo,
se sois homem de bom gosto,
que vos reformeis de posto
não tanto, como de medo.
  
6O Alcaide acelerado
vos teve quase colhido,
mas ficou muito corrido,
e vós pouco envergonhado:
Se vos não causa cuidado
estar entre ardentes brasas
calafetando linhaças
para tanto osso quebrado
é, que a um raso soldado
lhe bastam cadeiras rasas.