Senhor: Os Negros Juízes

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A peditorio dos pretos de Nossa Senhora do Rosario fez o poeta o seguinte memorial para o mesmo governador, impetrando licença para sairem mascarados à huma ostentação militar, a que chamavão alarde.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsHomens de Bem

1Senhor: Os Negros Juízes
da Senhora do Rosário
fazem por uso ordinário
alarde nestes Países:
como são tão infelizes,
que por seus negros pecados
andam sempre emascarados
contra a lei da policia,
ante Vossa Senhoria
pedem licença prostrados.

2A um General Capitão
suplica a Irmandade preta,
que não irão de careta,
mas descarados irão:
todo o negregado Irmão
desta Irmandade bendita
pede, que se lhe permita
ir ao alarde enfrascados,
não de pólvora atacados,
calcados de jeribita.