Senhor Doutor: muito bem-vinda seja

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ao dezembargador Belchior da Cunha Brochado vindo de Sindicar, o Rio de Janeyro em occasião,que estava o poeta prezo pelo ouvidor do crime, pelo furto de huma negra, soltando-se na mesma occasião o ladrão.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsJuízes de Igaraçu

Senhor Doutor: muito bem-vinda seja
A esta mofina, e mísera cidade
Sua justiça agora, e eqüidade,
E Letras, com que a todos causa inveja.

Seja muito bem-vindo: porque veja
O maior desbarate, e iniqüidade,
Que se tem feito em uma, e outra idade
Desde que há tribunais, e quem os reja.

Que me há de suceder nestas Montanhas
Com um Ministro em Leis tão pouco visto,
Como previsto em trampas, e maranhas?

É Ministro de império, mero, e misto,
Tão Pilatos no corpo, e nas entranhas,
Que solta um Barrabás, e prende um Cristo.