Pela escadinha de um courão subindo

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Soneto do Caralho Governante
por Bocage
Soneto localizado em um caderno onde poemas de Bocage e de Pedro José Constâncio estavam misturados, não tendo se chegado em nenhuma conclusão definitiva sobre a autoria do mesmo.


Pela escadinha de um courão subindo
Parei na sala onde não entra o pejo;
Chinelo aqui e ali suado vejo,
E o fato de cordel pendente, rindo;

Quando em miséria tanta refletindo
Estava, me apareceu ninfa do Tejo,
Roendo um fatacaz de pão com queijo,
E para mim num ai vem rebolindo:

Dá-me um grito a razão: ela "Eia, fujamos,
Minha infeliz, já deste inferno...
Mas tu respingas? Tenho dito, vamos..."

Eis a coisa assim diz: — "Com ódio eterno
Eu, e os sócios coelhos em ti mijamos;
Para baixo do bingo só governo".