Tratado Berakhot (Mishná)/II/1

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mishná por Vários
Tratado Berakhot


Introdução[editar]

Este capítulo continua a analisar as diversas questões concernentes à recitação do Shemá. Esta mishná trata sobre dois temas distintos: sobre a kavana, ou intenção, por ocasião da leitura dos trechos na Torá relacionados ao Shemá, e em quais situações a leitura do Shemá pode ser interrompida.

Texto em hebraico[editar]

היה קורא בתורה, והגיע זמן המקרא:
אם כיוון לבו – יצא,
ואם לאו – לא יצא.
בפרקים – שואל מפני הכבוד ומשיב,
ובאמצע – שואל מפני היראה ומשיב;
דברי רבי מאיר.
רבי יהודה אומר:
באמצע – שואל מפני היראה, ומשיב מפני הכבוד;
בפרקים – שואל מפני הכבוד, ומשיב שלום לכל אדם.

Texto em português[editar]

Se alguém está lendo na Torá e chega o tempo de recitar [o Shemá][1]
Se ele direcionar seu coração - cumpriu com a obrigação.
E se não [direcionar o coração] - não cumpriu sua obrigação.
Entre as pausas, pode-se saudar alguém por respeito e retornar uma saudação[2],
E no meio, pode-se saudar por temor e retornar uma saudação.
Estas são as palavras do Rabi Meir.

Rabi Yehuda disse:
No meio, pode-se saudar por temor[3] e retornar uma saudação por respeito,
E nas pausas pode-se saudar por respeito e retornar saudação a qualquer pessoa.

Comentários[editar]

  1. Se alguém está lendo na Torá as seções referentes ao Shemá e chega o tempo de cumprir o mandamento de leitura; se é feito com intenção (kavana), a obrigação é cumprida de modo que não é necessário fazê-lo novamente, mesmo não tendo pronunciado as bençãos relacionadas. Costuma-se recitar o primeiro verso do Shemá em voz alta para estimular a kavana, assim como cobrir os olhos com a mão direita.
  2. Há três paradas (ou parágrafos) no Shemá: Vehaavta, Vehaia im shamoa e a seção de Tzitzit. De acordo com esta interpretação pode-se saudar a outra pessoa por respeito, assim como retornar saudação a pessoas a quem somos incitados a saudar.
  3. Rashi explica que temor significa "temer que a pessoa o mate". Algumas outras interpretações explicam que temor refere-se às pessoas de autoridade a quem devemos respeito, como os pais e o rabino.