Trindade

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Trindade
por Álvares de Azevedo
Poema agrupado posteriormente e publicado em Lira dos Vinte Anos.


A vida é uma planta misteriosa
Cheia d'espinhos, negra de amarguras,
Onde só abrem duas flores puras
Poesia e amor...
 
E a mulher... é a nota suspirosa
Que treme d'alma a corda estremecida,
É fada que nos leva além da vida
Pálidos de langor!
 
A poesia é a luz da mocidade,
O amor é o poema dos sentidos,

A febre dos momentos não dormidos
E o sonhar da ventura...
 
Voltai, sonhos de amor e de saudade!
Quero ainda sentir arder-me o sangue,
Os olhos turvos, o meu peito langue...
E morrer de ternura!