Um Anjo

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um Anjo
por Machado de Assis
Publicado pela primeira vez na edição de 1º de abril de 1856 de Marmota Fluminense, sendo posteriormente agrupado em Poesias dispersas.


RJ, out. 1855


 

À MEMÓRIA DE MINHA IRMÃ


 

Se deixou da vida o porto
Teve outra vida nos céus.
 
A. E. ZALUAR




Foste a rosa desfolhada
Na urna da eternidade,
Pr’a sorrir mais animada,
Mais bela, mais perfumada
Lá na etérea imensidade.
 
Rasgaste o manto da vida,
E anjo subiste ao céu
Como a flor enlanguecida
Que o vento pô-la caída
E pouco a pouco morreu!
 
Tu’alma foi um perfume
Erguido ao sólio divino;
Levada ao celeste cume
C’os Anjos oraste ao Nume
Nas harmonias dum hino.
 
Alheia ao mundo devasso,
Passaste a vida sorrindo;
Derribou-te, ó ave, um braço,
Mas abrindo asas no espaço
Ao céu voaste, anjo lindo.
 
Esse invólucro mundano
Trocaste por outro véu;
Deste negro pego insano
Não sofreste o menor dano
Que tu’alma era do Céu.
 
Foste a rosa desfolhada
Na urna da eternidade
Pr’a sorrir mais animada
Mais bela, mais perfumada
Lá na etérea imensidade.