Viagens na Minha Terra (grafia de 1943)/IV

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Viagens na Minha Terra (grafia de 1943)
por Almeida Garrett


De como o A. foi passando e divagando, e em que pensava e divagava ele, no caminho da vila de Azambuja até o famoso pinhal do mesmo nome. — Do poeta grego e filósofo Dêmades,[1] e do poeta e filósofo inglês Addison, da casaca de peneiros e do pálio ateniense, e de outros importantes assuntos em que o A. quis mostrar a sua profunda erudição.[2] — Discute-se a matéria gravíssima se é necessário que um ministro de Estado seja ignorante e leigarraz. — Admiráveis reflexões de ziguezague em que se trata de re política e de re amatoria. — Descobre-se por fim que o A. estivera a sonhar em todo este capítulo, pede-se ao leitor que volte a folha e passe ao seguinte.

Eu darei sempre o primeiro lugar à modéstia entre todas as belas qualidades. Ainda sobre a inocência? Ainda sim. À inocência basta uma falta para a perder; da modéstia só culpas graves, só crimes verdadeiros podem privar. Um acidente, um acaso podem destruir aquela, a esta só uma ação própria, determinada e voluntária.

Bem me lembra ainda os dois versos do poeta Dêmades que são forte argumento de autoridade contra a minha teoria; cuidei que tinha mais infeliz memória. Hei de pô-los aqui para que não falte a esta grande obra das minhas Viagens o mérito da erudição, e lhe não chamem livrinho da moda: estou resolvido a fazer minha reputação com este livro.[2]


De beleza e virtude é a cidadela
A inocência primeiro — e depois ela.


Mas a autoridade responde-se com autoridade, e a texto com texto. E eu trago aqui na algibeira o meu Addison — um dos poucos livros que não largo nunca — e atiro com o filósofo inglês ao filósofo grego e fico triunfante: porque Addison não põe nada acima da modéstia; e Addison, apesar da sua casaca de peneiros, é muito maior filósofo do que foi Dêmades com a sua túnica e o seu pálido ateniense.

O erudito e amável leitor escapará desta vez a mais citações: compre um Spectador,[3] que é livro sem que se não pode estar, e veja passim.[4]

Eu gosto, bem se vê, de ir ao encontro das objeções que me podem fazer, lembro-as eu mesmo para que depois não me digam: Ah! Ah! vinha a ver se pegava! Não senhor, não é o meu gênero esse.

Francamente pois... eis aí o que poderão dizer: Addison foi secretário de Estado, e então... Então o quê? Não concebem um secretário de Estado filósofo, um ministro poeta, escritor elegante, cheio de graça e de talento? Não, bem vejo que não: têm a idéia fixa de que um ministro de Estado há de ser por força algum sensaborão, malcriado e petulante. Mas isto é nos países adiantados em que já é indiferente para a coisa pública, em que povo nem príncipe lhes não importa já, em que mão se entregam, a que cabeças se confiam. Em Inglaterra não é assim, nem era assim no tempo de Addison. Fossem lá à rainha Ana[5] que deixasse entrar no seu gabinete quatro calças de coiro[6] sem criação nem instrução, e não mais senão só porque este sabia jogar nos fundos, aquele tinha boas tretas para o canvassing de umas eleições, o outro era figura importante no Freemason's hall![7]

Já se vê que em nada disso há a mínima alusão ao feliz sistema que nos rege:[8] estou falando de modéstia e nós vivemos em Portugal.

A modéstia, contudo, quando é excessiva e se aproxima do acanhamento, ao que no mundo se chama falta de uso, pode ser num homem quase defeito inteiro. Na mulher é sempre virtude, realce da beleza às formosas, disfarce de feldade às que não o são.

Por mim, não conheço objeto mais lindo em toda a natureza, mais feiticeiro, mais capaz de arrebatar o espírito e inflamar o coração do que é uma jovem donzela quando a modéstia lhe faz subir o rubor às faces e o pejo lhe carrega brandamente nas pálpebras... Pouco lume que tenho nos olhos, pouco regular que seja o semblante, menos airosa que seja figura, parecer-vos-á nesse momento um anjo. E anjo é a virgem modesta, que traz no rosto debuxado sempre um céu de virtudes... De alguma beleza sei eu cujo olhos cor da noite ou de safira (Dialec. Poet. Vet.)[9] cujas faces de leite e rosas, dentes de pérolas, colo de marfim, tranças de ébano (a alusão é sortida, há onde escolher) davam larga matéria a boas grosas de sonetos — no antigo regime dos sonetos, e hoje inspirariam miríades de canções descabeladas e vaporosas, choradas na harpa ou gemidas no alaúde. Contanto que não seja lira, que é clássico, todo o instrumento, inclusivamente a bandurra, é igual diante da lei romântica.

Ora pois, mas a tal beleza, por certo ar alamoda, certo não sei quê de atrevido nos olhos, de deslavado na cara e de descomposto nos ademanes, perde toda a graça e quase a própria formosura de que a dotara a natureza.

Vede-me aqueles lábios de carmim. Há maio florido que tão lindo botão de rosa apresente ao alvorecer da madrugada?... Mas olhai agora como o riso da malícia lho desfolha tão feiamente numa desconcertada risada...

Desvaneceu-se o prestígio.

Não havia moço nem velho, homem do mundo ou sábio de gabinete que não desse metade dos seus prazeres, dos seus livros, da sua vida por um só beijo daquela boca. Agora talvez nem repetidos advances lhe façam obter um namorante de profissão e ofício... E há de pagá-lo adiantado, e por que preço!..

..................................................................................................................................... ......................................................................................................................

Mas o que terá tudo isto com a jornada de Azambuja ao Cartaxo? A mais íntima e verdadeira relação que é possível. É que a pensar ou a sonhar nestas coisas fui eu todo o caminho, até me achar no meio do pinhal da Azambuja.[10]

Aí paramos, e acordei eu.

Sou sujeito a estas distrações, a este sonhar acordado. Que lhe hei de eu fazer? Andando, escrevendo: sonho e ando, sonho e falo, sonho e escrevo. Francamente me confesso de sonâmbulo, de soníloquo, de... Não, fica melhor com seu ar de grego (hoje tenho a bossa helênica num estado de tumescência pasmosa!); digamos sonílogo, sonígrafo...

A minha opinião sincera e conscienciosa[11] é que o leitor deve saltar estas folhas, e passar o capítulo seguinte, que é outra casta de capítulo.

Notas[editar]

  1. Orador grego inimigo de Demóstenes.
  2. 2,0 2,1 Em todo este capítulo, Garrett ironiza a exibição de erudição.
  3. Obra de Addison. Sátira dos costumes ingleses do século XVIII.
  4. Advérbio latino significando "aqui e ali".
  5. Addison, o poeta, foi ministro da rainha Ana de Inglaterra, e membro do célebre gabinete chamado de All-isits. [N.A]
  6. A expressão "calça de couro" significava o mesmo que novo-rico, isto é, alguém com dinheiro, mas sem educação.
  7. Sede da Maçonaria, em Londres
  8. "Feliz sistema que nos rege" era estereótipo dos documentos reais que caiu em desuso pelas frequentes utilizações irônicas como esta.
  9. Ironia às citações latinas de eruditos. Significa "em linguagem poética antiga" ou "em velha linguagem poética"
  10. Local celebrizado pela literatura como covil de bandidos que atacavam viajantes.
  11. Em itálico por ironia do clichê, utilizado inclusive para opiniões que não teriam nada de conscienciosas.