Vida de Antônio Rodrigues Ferreira/VI

Wikisource, a biblioteca livre
< Vida de Antônio Rodrigues Ferreira
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vida de Antônio Rodrigues Ferreira por Paulino Nogueira
Seção VI


VI

Factos importantissimos estavam proximos de confirmarem-no ainda mais neste merecido conceito, que é hoje a expressão sincera e espontanea de todos os cearenses.

O conselheiro José Carlos Pereira de Almeida Torres, depois Visconde de Macahé, repudiado dos chefes conservadores da côrte, havia por despeito organisado o gabinete de 2 de Fevereiro de acordo com os liberaes [1], e

tomado a si a ingrata tarefa de castigar por toda. parte,

nos antigos có-religionarios, a nobre altivez dos chefes, começando de dissolver a Camara dos Deputados [2].

Nessas occasiões não faltam pretextos para a deserção, de sorte que o grito de rebeldia no olympo agradavelmente repercutio até a fralda da montanha.

Ainda não era conheci da pelo nome a celebre maxima de Bismarck, que Silveira Martins perfilhou — o poder e poder; mas os seos effeitos fascinadores já erão assàs presentidos desde então.

Alguns caranguejos. aliás dos melhores serviços e precedentes, pretextando exclusivismo do chefe, Dr. Miguel Fernandes, na direcção da política, adheriram á situacão, alliando-se aos chimangos no illusorio e absurdo intuito de crêarem um partido equilibrista ou do meio, mantenedor do equilibrio entre os existentes.

Contavam com o apoio do governo e do seo delegado na Provincia, Coronel Ignacio Corrêa de Vasconcellos,[3] já assás conhecido desde a sua: primeira administração, e tinham conseguintemente por certo o triumpho nas proximas eleições para Deputados Geraes.

Triumpharam com effeito[4]; mas sua victoria, tão desastrada como a de Pyrrho, converteo-se logo em pungentes remorsos para elles. pelo anathema cruel que lhes inflingio a opinião, sobretudo seos insuspeitos alliádos.

Estes conheceram um tanto tarde o presente grego

com que tinha sido castigada sua ingenuidade, mas cêdo ainda para despedirem-nos pelo seo orgão, a Fidelidade[5], com o Ide-vos suissos engajados[6], expressão que tornou-se celebre pela sevéra e apropriada applicação, com que a justiça publica acabou de desmoralisal-os para sempre.

Desde então até hoje a palavra equilibrista ficou valendo em política pela noda indelevel de Macbeth, que nem toda agoa do oceano poude lavar. E’ ainda uma injuria bem qualificada atirada ao politico leal e sincero.

Quasi todos voltaram ao partido caranguejo e foram recebidos como o filho prodigo na casa paterna; sem embargo de alguns, que, apezar do ferrete ignominioso que lhes foi infiingido e que devia queimar-lhes a carne, continuaram todavia a militar e por fim se confundiram com os seos soberbos alliados, como as almas pennadas do Inferno de Dante—

Pernas e coxas vi-as tão unidas
Que nem leve signal dava a juntura
De que tivessem sido divididas.[7]

Dos saquaremas, nome que então substituira o de caranguejos[8], é justo que destaquemos, dentre os que mais denodadamente batalharam pela boa causa, as pessoas

de Ferreira, que já presidia a Camara da Fortaleza,

verdadeira potencia politica, o maior obstaculo offerecido ao adversario armado até os dentes; e do Dr. Pedro Pereira, na redacção de Periquito, jornalito caricato e espirituosissimo, cujas pilhérias, do mais fino sa attico, em prosa e verso, valiam por settas mortiferas arremessadas ao inimigo commum, envolvido nas gargalhadas e rediculo geraes e esmagadores.

Os serviços deste, o partido procurou pagal-os logo com uma cadeira no parlamento na primeira legislatura; mas com que moeda pagaria os d’aquelle? Quem ousaria mesmo ensombrar aquella organisação de brilhante, fallando-lhe de recompensa aos seos actos incessantes de subido desinteresse e do melhor quilate civico?

Entretanto ninguem mais facil de se contentar: dava-se por bem pago com a enorme e crescente popularidade que o envolvia prodigiosamente como uma nuvem de incenso.

Em Setembro de 1848 obteve elle uma dessas pagas na eleição de camara da Capital.

Administrava a Província o actual senador Fausto Augusto de Aguiar desde 13 de Maio[9].

Os chimangos preparava m-se para o pleito com ardor quasi revolucionario. Era para receiar-se, por tanto, grande alteração na ordem publica.

Mas na hora extrema ainda uma vez realisa-se o mons parturiens do fabulista.

Não conseguindo da administração o apoio que esperavam e em que punham toda sua esperança, logo ao primeiro encontro, tocaram a. quartéis, ficando os saquaremas senhores do campo e da victoria.

Ferreira foi, nessa occasião, alvo das mais freneticas ovações: o povo não consentio que elle fosse a pé para a casa e levou-o em braços desde a capella do Rosario, que servia então de matriz.

Mas, assim como ha males que vem para bem, assim tambem ha bens que nos trazem males.

Por causa dessa ovação ia Ferreira enviuvando nesse dia.

A mulher, vendo-o assim agarrado pelo povo, sem saber a rasão, persuade-se de que queria-se assassinal-o, e teve uma syncope tão profunda, que della veio a morrer sete annos depois[10], sem que antes podesse mais gosar saùde.

Ferreira era tambem esposo extremoso. Nunca mais casou-se, e desde então trajou, até á morte, pésado luto, que retractava fielmente sua alma profundamente sentida.

Aggravava-lhe essa tristeza o nunca ter tido um sò filho, nem mesmo illegitimo que podesse legitimar, como elle declarou no seo testamento.

Ora, si Lord Byron queixava-se de não só elle como seos parentes nunca produzirem sinão fructos unicos, comparando-se por isso ás alimarias, tigres e leôas, que parem pouco[11], quanto mais o marido que nunca poude ser pae e gosar desta ineffavel delicia do coração humano!

Nada mais expressivo a este respeito do que o proverbio indiano: O homem só é completo quando é triplice: tem mulher e filhos.

Mas Ferreira enganou-se: elle teve não um, mas muitissimos filhos, todos immortaes, — esses que se contam por suas boas obras, impereciveis na gratidão publica e particular.


  1. O gabinete de 2 de Fevereiro de 1844 compunha-se de: Almeida Torres, Império; Manoel Alves Branco (Visconde de Caravellas), Fazenda e interino da Justiça; Ernesto Ferreira França, Estrangeiros; Jeronymo Francisco Coelho, Marinha. interino da Guerra. Sobre o repudio a Almeida Torres vide Mello Mattos, "Pagina de Historia Constitucional do Brazil" cit.
  2. Dissolveo-a por Dec. de 24 de Maio de 1844, convocando outra para o 1.º de Janeiro do anno seguinte.
  3. Nomeado por Carta Imperial de de Novembro de 1844, tomou posse a 4 de Dezembro seguinte.
  4. Foram eleitos deputados geraes para a 6ª legislatura de 1845-1847 quatro liberaes e quatro equilibristas: Frederico Augusto Pamplona, Dr. Joaquim José da Cruz Secco, P.e Carlos Augusto Peixoto de Alencar, Dr. Manoel Soares da Silva Bezerra, Vicente Ferreira de Castro e Silva, Dr. João Fernandes Barros e P.e José da Costa Barros. Tendo falecido este antes de tomar assento, foi substituido pelo Dr. Thomaz Pompêo de Souza Brazil.
  5. Era este o nome em que se havia transformado o "Vinte Tres de Julho, para dar arrhas da “fidelidade” com que os “chimangos” estavam dispostos a haverem-se com os seus alliados “equilibristas”. Dous annos depois ainda transformou-se em Cearense, sob a redacção e direcção de Frederico Pamplona e Pompêo, e ainda mantem o titulo.
  6. Allusão aos suissos e outros estrangeiros engajados pelo governo para a guerra da Cisplatina, em 1826, e que se tornaram tão turbulentos que o mesmo governo teve necessidade de despedil-os. Vide J. Armitage, “Hist. do Brazil”, Pag. 70.
  7. "Divina Comedia", Cant XXV, Traducção de Machado de Assis.
  8. A denominação de "saquaremas," aos "carangueijos," hoje "conservadores," proveio da seguinte circumstancia. Por esse tempo appareceo na provincia do Rio de Janeiro um celebre Padre Cêia, que se distinguio como subdelegado de policia da villa de "Saquarema". Expedindo uma ordem de prisão, dizia que si o réo resistisse "fosse morto paulatinamente". Isto servio de thema para larga e acrimoniosa discussão contra os liberaes, e o nome de "saquarema" tornou-se logo notavel e apreciado Como Rodrigues Torres (Visconde de Itaborahy) e Paulino José Soares de Souza (Visconde de Uruguay) tinham grande parentella nessa villa, e com efficacia defendiam os seos parentes, e estes foram mais ou menos attendidos em contraposição aos actos do Padre Cêia, foi a denominação se convertendo em synonimo de favorecido, potentado, quo a principio deo-se aos parentes desses dous Personagens politicos, e que depois passou ao partido inteiro, inclusive o do Ceará — Esta explicacão é necessaria: porque a maledicencia partidaria quiz ver nessa nova qualificação motivo injurioso para os que a abraçaram: attribuio-se-lhe a origem do verbo "sacar, saquaremos," aliás "sacaremos," pretenção emprestada aos conservadores no combate de “S. Luzia,” em Minas, no qual os liberaes foram derrotados. O nome é indígena; significa — sem peixe; de "sagoa" peixe e "eyma" sem e proveio de uma lagoa no municipio. Dr. Martius, “Golss. Ling. Braz.” Pag 524.
  9. Nomeado por Carta Imperial de 5 de Abril de 1848.
  10. No Pedro II n. 1430 de 21 de Fevereiro de 1855 Ferreira publicou este agradecimento:

    « Antonio Rodrigues Ferreira cordealmente agradece ás pessoas que se dignaram de obsequial-o acompanhando ao cemiterio do Crôatá o corpo de sua muito presada esposa Francisca Aurea de Macedo, e espera que renovarão este acto de caridade e religião, assistindo á missa do setimo dia, que terá logar sexta-feira, 23 do corrente, pelas 4 horas d’amanhã, na igreja matriz desta cidade. »

  11. Emilio Castellar, "Vida de Lord Byron", Pag. 11.