Vida de Antônio Rodrigues Ferreira/XI

Wikisource, a biblioteca livre
< Vida de Antônio Rodrigues Ferreira
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vida de Antônio Rodrigues Ferreira por Paulino Nogueira
Seção XI


XI

Ferreira fallecou ás 9 horas da noute de 29 de Abril de 1859, victima de asphixia lenta devida á aneurisma da aórta pectoral, na idade de 59 annos.

Teve a morte do justo. Talis vita finis ita.

Quando a medecina declarou-se impotente para salvar-lhe a vida [1], tractou de salvar a alma.

Depois de receber todos os sacramentos da Santa Madre Igreja Catholica Apostolica Romana, conheceo que approxirnava-se-lhe o momento fatal: pedio uma vela accesa e que com elle repetissem o nome de Jesus.

Tinha dado a alma ao Creador!

Desde que tornou-se publica a noticia de sua agonia, o pateo da casa ficou intransitavel de povo até o outro dia á tarde, quando sahio o enterro.

São indescriptiveis as manifestaçces de pezar que durante o trajecto lhe eram prodigalisadas.

Era uma verdadeira procissão, extraordinariamente e concorrida por todas as classes, sem distinção de politica de posição social, de idade nem de côres.

O feretro foi conduzido a principio pelos vereadores da Camara, depois pelos officiaes superiores da Guarda Nacional até á matriz; desta ao cemiterio pelo presidente da Província, chefe de policia[2] e pessoas gradas.

O corpo teve sepultura perpetura no antigo cemiterio de S. Casimiro, conhecido pelo do Croatà, na conformidade da lei provincial n.º 874 de 16 de Setembro de 1855, que lhe concedeo esse previlegio.

Todos os có-religionarios mais graduados tomaram luto por 8 dias em demonstração de pezar.

Vinte e um annos depois, tendo a S. Casa resolvido demolir o cemiterio de S. Casimiro, passou seos restos mortaes para o novo cemiterio de S. João Baptista, com a possivel solemnidade.[3]

Acham-se elles depositados no mausolêo da S. Casa no

novo cemiterio, do lado direito da Capella , andar superior

, onde lê-se: Tenente Coronel Antonio Rodrigues Ferreira e sua Familia.


  1. Pedro II citado n.º 1909 de 30 de Abril de 1859. Foram seos medicos assistentes Drs. Manoel Mendes da Cruz Guimarães, José Joaquim Gonçalves de Carvalho e Joaquim Antonio Alves Ribeiro, que na vespera conferenciaram com o conselheiro Francisco Freire Allemão e Dr. Manoel Ferreira Lagos, Presidente e membro da Commissão Scientifica; e seo confessor o Vigario João Felippe Ribeiro.
  2. Presidente Dr. João Silveira de Souza, chefe de policia Dr. Abilio José Tavares da Silva.
  3. Eis como o conselheiro Estellita, Vice-Provedor da S. Casa, se exprime sobre essa trasladação no seo Relatorio de 1880 a 1881, publicado no Cearense n ° 31 de 2 de Abril de 1880 :—

    « Resolvendo a Meza a demolição do antigo cemiterio de S. Casimiro, em vista do seo estado de ruinas e profanação, em que se achava, tracta a Commissào nomeada de eregir no novo cemiterio um decente jazigo para nelle serem recolhidos os ossos que de seo solo foram extrahidos destinando-se deposito decente o perpetuo para aquelles que forem reclamados pelos interessados, que a isto tiverem direito, levantando-se a par d’aquelle jazigo nm maosuleo para serem recolhidos os ossos do benemerito Antonio Rodrigues Ferreira, qae tanto honhou em diversas legislaturas a cadeira de presidente da Camara Municipal da Capital, e a quem tanto se deve pelos melhoramentos, que emprehendeu e realisou, e que muito ha contribuído para distinguil-a de muitas outras capitaes, que, á falta de um cidadão tão patriota e desinteressad, onão tem a sua edificação a belleza e realce, que aqui se observa »

    O Cearense n.º 83 de 13 de Abril de 1880 é ainda mais explicito:

    « Hontem pela manhã teve logar a trasladação dos ossos exhumados do antigo cemiterio de « S. Casemiro » e depositados na Capella de S. João Baptista para os mausoléos mandados construir para esse fim pela Mesa Regedora da S. Casa de Misericordia

    « Depois de celebradas as missas e mais cerenonias religiosas foram conduzidos á mão pelos membros das Irmandades, que compareceram ao acto, os caixões que continham os ossos, sendo aquelle em quo se achavam os restos mortaes do Tenente Coronel Antonio Rodrigues Ferreira levado pelos Srs. Exm.º Conselheiro André Augusto de Padua Fleury, Dr José Julio de Albuquerque Barros, Dr. José Pompeo de Albuquerque Cavalcante, Vice-Provedor interino, e João Cordeiro, presidente da Camara Municipal.

    « Ao acto compareceram os Exm.os Srs. conselheiro Presidente da Provincia, Bispo Diocezano, Vigario Geral. Cura da Sé, Varios sacerdotes, seminaristas, as Irmandades do Rosario e do Livramento, a Mesa Administrativa da S. Casa e alguns membros da respetiva Confraria.

    « O acto terminou às 8 horas d’amanhã »