A mariposa

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A mariposa
por Joaquim Vieira Botelho da Costa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Lisia poetica, tomo III.


Gentil mariposa que vens tão asinha
A chamma buscando, que te hade queimar,
Não temes a morte?... Nào temes, coitada,
Parece desejas a vida findar.

Ai triste procuras a luz que te mata,
Qual nós vaes incauta seguindo o prazer!
O brilho funesto, que sabe altrahir-te,
E’ brilho de morte, na luz vaes arder....

Mas como fugir-lhe?... Quem foge ao destino?!
E’ sempre tão grato deleites seguir!...
O fado assim manda.... o mal sempre agrada,
E o bem desprezamos, só por não luzir.

Gentil mariposa, não vás tão asinha
A chamma buscando que te hade queimar:
O brilho despreza da luz que te mata,
Nào queiras a vida tão cêdo findar.