Agora que sinto amor

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Agora que sinto amor
por Alberto Caeiro
Escrito em 23-7-1930.


Agora que sinto amor
Tenho interesse no que cheira.
Nunca antes me interessou que uma flor tivesse cheiro.
Agora sinto o perfume das flores como se visse uma coisa nova.
Sei bem que elas cheiravam, como sei que existia.
São coisas que se sabem por fora.
Mas agora sei com a respiração da parte de trás da cabeça.
Hoje as flores sabem-me bem num paladar que se cheira.
Hoje às vezes acordo e cheiro antes de ver.