Amar dentro do peito uma donzella

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(Amar dentro do peito uma donzella)
por Bocage
Poema agrupado posteriormente e publicado em Poesias eroticas, burlescas e satyricas como Soneto XII. Edições posteriores, tal como uma de 1969, atribuem apócrifamente a este poema o título Soneto do Prazer Maior.[1]

Amar dentro do peito uma donzella;
Jurar-lhe pelos céos a fé mais pura;
Fallar-lhe, conseguindo alta ventura,
Depois da meia noute na janella:

Fazel-a vir abaixo, e com cautella
Sentir abrir a porta, que murmura;
Entrar pé ante pé, e com ternura
Apertal-a nos braços casta e bella:

Beijar-lhe os vergonhosos, lindos olhos,
E a bocca, com prazer o mais jucundo,
Apalpar-lhe de neve os dois pimpolhos:

Vel-a rendida em fim a Amor fecundo;
Ditoso levantar-lhe os brancos folhos;
É este o maior gosto que ha no mundo. (D)

Notas[editar]

  1. MATTOSO, Glauco. Bocage, o desboccado; Bocage, o desbancado. São Paulo: 2002. Disponível em <http://www.elsonfroes.com.br/bocage.htm. Acesso em: 28 maio 2014.