Aquelle semi-clerigo patife

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(Aquelle semi-clerigo patife)
por Bocage
Poema agrupado posteriormente e publicado em Poesias eroticas, burlescas e satyricas como Soneto XV. Edições posteriores, tal como uma de 1969, atribuem apócrifamente a este poema o título Soneto do Padre Patife.[1]

Aquelle semi-clerigo patife,
Se eu no mundo fizera ainda apostas,
Apostára comtigo que nas costas
O grande Pico tem de Teneriffe:

Celebre traste! É justo que se rife;
Eu tambem prompto estou, se d′isso gostas;
Não haja mais perguntas, nem respostas;
Venha, antes que algum taful o bife:

Parece hermaphrodita o corcovado;
Pela rachada parte (que apeteço)
Parece que emprenhou, pois anda opado!

Mas d′esta errada opinião me desço:
Pois que traz a creança no costado,
Deve ter emprenhado pelo sesso.

Notas[editar]

O seguinte é o titulo d′este soneto na collecção de Couto, já citada:

«A um clerigo fulo, Deão de Angola, que aqui veio a requerimentos, e era corcovado naturalmente; corria o armo de 1800.»

[Nota de Inocêncio Francisco da Silva.]

  1. MATTOSO, Glauco. Bocage, o desboccado; Bocage, o desbancado. São Paulo: 2002. Disponível em <http://www.elsonfroes.com.br/bocage.htm. Acesso em: 28 maio 2014.