Em Tradução:Bíblia Aberta/Mateus/Capítulo 7

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Evangelho segundo Mateus


Esta página também faz parte do Projeto Bíblia Aberta.

Sobre julgar os outros[editar]

1- Não julguem os outros para que vocês não sejam julgados. 2Porque com o critério com que julgarem os outros, serão vocês julgados; e com a medida com que medirem os outros, também medirão vocês.[1] 3Porque você vê o cisco que está no olho do seu irmão e não vê o pedaço de madeira que está no seu próprio olho? 4Com que cara que você pode dizer ao seu irmão: Deixe-me tirar o cisco do seu olho? 5Hipócrita! Tire primeiro a madeira que está no seu olho, e então verá claramente para tirar o que está no olho do seu irmão.[2]

6- Não dêem para os cachorros o que é sagrado[3], e nem atirem pérolas aos porcos, para que estes não a pisem com os pés e aqueles não se voltem contra vocês e os ataquem.

Sobre pedir a Deus[editar]

7- Peça e vocês receberão; busquem e vocês encontrarão; batam e a porta será aberta. 8Pois todos aqueles que pedem recebem; aqueles que buscam encontrame e a porta será aberta para quem bater nela. 9Por acaso qual de vocês homens, que se o filho pedir pão, você dará uma pedra? 10Ou se pedir um peixe, dará uma cobra? 11Ora, se vocês, mesmo sendo maus[4], sabem dar coisas boas aos seus filhos, quanto mais o Pai de você, que está no céu, dará coisas boas aos que lhe pedirem! 13Tudo o que vocês quiserem que as pessoas façam a vocês, façam vocês também a elas.[5] Pois esta é o ensinamento da Lei de Moisés e dos Profetas.[6]

Dois caminhos[editar]

13- Entrem pela porta estreita. Porque larga é a porta e espaçoso o caminho que leva a perdição, e são muitos os que entram por ela. 14A porta estreita e o caminho apertado levam para a vida, e são poucos os que a encontram.

Falsos profetas[editar]

15- Cuidado com os falsos profetas, que se apresentam como ovelhas, mas por dentro são lobos selvagens. 16Pelos seus frutos os conhecerão. Colhem-se uvas de espinheiros ou figos dos pés de urtiga? 17Assim, toda árvore boa dá frutas boas e toda árvore má dá frutas más. 18A árvore boa não pode produzir maus frutos, e a árvore má não pode produzir bons frutos. 19Toda árvore que não dá bons frutos é cortada e jogada no fogo. 20Portanto vocês os conhecerão pelos seus frutos.[7]

21- Não todo mundo que me chamar de “Senhor, Senhor”[8] entrará no Reino do Céu , mas somente aqueles que fazem a vontade do meu Pai, que está no céu. 22Quando aquele dia chegar, muitos dirão: “ Senhor, Senhor! Não anunciamos nós o teu nome, e em teu nome não expulsamos demônios e fizemos muitos milagres?” 23Então eu direi claramente a essas pessoas: “Eu nunca conheci vocês! Afastem-se de mim vocês que fazem o mal!”

Dois fundamentos[editar]

24-Quem ouve minha palavra e a pratica, será comparado a um homem sábio que construí sua casa na rocha. 25Caiu a chuva e vieram as enchentes[9] e o vento soprou com força contra aquela casa. Porém ela não caiu, porque havia sido construída na rocha. 26E quem houve minha palavra e não a pratica será comparado a um homem sem juízo que construiu a sua casa na areia. 27Caiu a chuva, vieram as enchentes e o vento soprou com força contra aquela casa. E ela desabou e ficou totalmente destruída.

Fim do sermão[editar]

28Quando Jesus Cristo acabou de falar, as multidões estavam maravilhadas com a sua maneira de ensinar, porque ele ensinava como quem tem autoridade e não como um escriba.[10]

Notas[editar]

  1. Deus será severo em nosso julgamento na medida em que formos severos no julgamento dos demais. Deus mostrará misericórdia se mostrarmos misericórdia e benevolência se mostrarmos benevolência, mas não terá piedade se também não tivermos piedade.
  2. É hipocrisia tentar consertar os outros enquanto você mesmo está repleto de falhas. Jesus exorta seus discipulos a cuidarem cada um de seu próprio aprimoramente e deixarem as falhas dos demais sob os cuidados dos demais e sob a misericórdia de Deus.
  3. Muitos cristãos veem aqui uma referência as evidências do reino, tais como cura e o exorcismo, o que explicaria o porque de Jesus não ter feito milagres aos descrentes. Contudo a expressão "O que é sagrado" também incluiria a pregação do reino, ou seja que os discipulos de Cristo não devem insistir em pregar para pessoas que rejeitaram o evangelho. Os versículos anteriores nos lembram a no entanto não julgar estas pessoas, pois o julgamento cabe a Deus somente. O livro de atos ilusra este princípio da prática em 13,44-51 e 18,56
  4. Sendo maus, a pecaminosidade geral da humanidade é aqui admitida, pois mesmo aqueles que chamam a Deus de Pai, são tidos como maus.
  5. Façam também a elas. Frequentemente esta é chamada a Regra de Ouro do Cristianismo, e de fato todas as denominações e igrejas concordam com a importância deste preceito ético. Um ensinamento semelhante já era ensinado por pensadores antigos: "Não faça aos outros o que não quer que façam a você." Jesus tornou esta uma obrigação positiva.
  6. Este versículo se relaciona com Mt 5,17, seguir a palavra de Jesus na perfeição é seguir na perfeição a lei de Moisés e dos Profetas. Contudo este não é em absoluto um caminho fácil, como as passagens seguintes mostrarão.
  7. A mensagem dos falsos profetas pode parecer atraente, inteligênte ou mesmo ortodoxa. O único modo de saber com segurança é deixar o tempo mostrar seus frutos. Alguns dos frutos dos falsos profetas são revelados nas Escrituras Gregas: controvérsias (1Tm 1,3), divisões (1Tm 6,3-4), destruição (2Tm 2,18) e auto-destruição (2Pe 2,1)
  8. A repetição do nome era um tratamento de entimidade nas escrituras hebraicas. Assim, não é alegar uma intimidade com Deus que importa, nem mesmo fazer boas e maravilhosas obras. Jesus afirma, o que importa é fazer a vontade do Pai.
  9. Tempestades não são frequêntes na Palestina, mas pode ser violentas. Ou seja, ainda que por muito tempo a casa do tolo e do sábio pareçam igualmente seguras, quando o tromenta vem, o tolo fica sem moradia.
  10. Os escribas, assim como os rabinos e padres depois deles ensinam se referindo ao que foi dito antes deles. Tem na tradição sua autoridade. Jesus por sua vez fala com a autoridade do próprio legislador.