Cada vez que considero (I)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Cada vez que considero,
Que tenho um amor ingrato,
Não sei como não me atiro
Contra uma pedra e me mato!