Cantigas de Santa Maria/CCCV

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cantigas de Santa Maria por Afonso X
Cantiga CCCV


Como Santa Maria fez a carta de peedença que tragia a moller pesar mais en a balança
que ouant' aver poseron na outra

Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes [per] dões.

E poren dizer-vos quero, se me mui ben ascuitardes,
un mui fremoso miragre; e se y mentes parardes,
gran prol de vossa fazenda vos terrá, se vos guardardes
de fazer per que perçades d' aver de Deus galardões.
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

Esto foi da mesqynna moller que pecador era,
e confessou-s' a un frade dos pecados que fezera;
e por aver perdon deles avia coita tan fera,
que do perdon pediu carta, mostrando muitas razões
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

Por que a aver devia ao frade que lla désse.
E el deu-lla de tal guisa, mandando-lle que fezesse
serviç' a Santa Maria per que sa mercee ouvesse,
e ja[j]as[s]' as sas festas e oysse seus sermões.
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

Tod' esto lle pos en carta, e des i ar seelou-a;
e a moller mui de grado a fillou e pois guardo[u]-a
en seu so, e tan toste pera ssa casa levou-a.
Mas atan muit' era pobre que pidia as rações;
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

E u quer que ela ya, sempre sa carta levava
dentr' en ha seeleira en que a mui ben guardava;
mas pola Virgen beita as rações demandava,
sofrendo frio e fame e muitas trebolações.
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

E ela assi andando, chegou a ha cidade
e viu seer na rua, com' eu achei por verdade,
un canbiador que canbiava d'aver mui gran quantidade,
esterlis e to[r]neses, burgaleses, pepiões,
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

E ynda daquestes novos e dos pretos e da guerra;
e ela pediu-lle algo por aquela que non erra.
El disse: «Faze-lo quero sobre pennor, ca na terra
u somos non é costume de dar d'outra guisa dões.»
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

Ela respondeu-lle logo: «Juro-vos per mia creença
que non trag' erg' esta carta, que é de mia pedença»
E diss' el: «Vee-la quero, e meterei [y] femença
se é carta de soltura ou se é de petições.»
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

El enton leeu a carta, e ante que lla tornasse
disse-lle que lle daria sobr' ela quanto pesasse,
e que esto lle faria, e d'al non sse traballasse
per ren, ca el non amava truães nen arlotões.
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

Ela avendo na Virgen, Madre de Deus, gran fiança,
outorgou-lle que posesse a carta ena balança;
mas que lle désse o peso dela logo sen tardança,
que non morresse de fame a 'scusa polos rancões.
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

Ela meteu na balança a carta, e tan pesada
se fez logo, que na outra non pode pois meter nada
que tanto per ren pesasse, esto foi cousa provada,
e o canbiador con sanna depenava seus grannões.
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

O cambiador fillou outra balança mayor daquela,
e coidou aquela carta per mayor peso vence-la;
mas pero non meteu tanto na balança que move-la
per ren podesse de terra. Enton fillou dous bolssões
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

Que meteu na balança, chos de prata e d'ouro;
mas mui mais pesou a carta en que avia tesouro
daquel que perdõar pode crischão, judeu e mouro,
atanto que en Deus ajan ben firmes sas entenções.
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

Quand' o canbiador viu esto, pediu por Santa Maria ,
mercee que sse leixasse do peso, e lle daria
quant' ela do seu quisesse, per que sempre viviria
ben e avondadamente. E molleres e barões,
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...

Quantos este feito viron, tan toste lle consellaron
que o fezess', e foi feito; e log' a Virgen loaron
por tan fremoso miragre, e con gran prazer choraron
todos, gollos ficados con mui grandes devoções.
Sempre devemos na Virgen a ter os corações...