Cantigas de Santa Maria/LXV

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa
Cantigas de Santa Maria por Afonso X
Cantiga LXV: A creer devemos que todo pecado


Como Santa Maria fez soltar o ome que andara gran tempo escomungado.

A creer devemos que todo pecado
Deus pola sa Madr' averá perdõado.

Porend' un miragre vos direi mui grande
que Santa Maria fez; e ela mande
que mostra-lo possa per mi e non ande
demandand' a outre que m'en dé recado.
A creer devemos que todo pecado...

Poren direi com' un clerig' aldeão,
de mui santa vida e mui bon crischão,
ouv' un seu feegres sobervi' e loução,
que nunca queria fazer seu mandado.
A creer devemos que todo pecado...

E o ome bõo sempre lle rogava
que sse corregesse e o castigava;
mais aquel vilão poren ren non dava,
assi o tragia o dem' enganado.
A creer devemos que todo pecado...

Pois que o preste viu que mõestamento
non lle valia ren ha vez nen çento,
escomungou-o enton por escarmento,
cuidando que fosse per i castigado.
A creer devemos que todo pecado...

Mais el por aquesto non deu nemigalla
nen preçou sa escomoyon ha palla.
Entanto o preste morreu, e sen falla
ficou o vilão del escomungado.
A creer devemos que todo pecado...

E durou depois muit' en esta maldade,
ata que caeu en grand' enfermidade
que lle fez canbiar aquela voontade,
e do que fezera sentiu-se culpado.
A creer devemos que todo pecado...

E quis comungar e fillar pedença,
mais non lla quiseron dar pola sentença
en que el jazia por sa descreença,
mais mandaron-lle que foss' a seu prelado.
A creer devemos que todo pecado...

E logo que podo foi a el correndo
e seu mal le disso, chorand' e gemendo;
e ele lle disse, per quant' eu entendo:
«Vai-te ao Papa, ca muit' ás errado.»
A creer devemos que todo pecado...

El, quand' est' oyu, ouv' alegria fera
e foi log' a Roma u o Papa era
e disso-ll' aquelo sobre que vera.
El mandou-o livrar a un seu privado,
A creer devemos que todo pecado...

Que lle disse, se livre seer queria,
que lle déss' algo, se non nono seria.
El dar non llo pode, ca o non tragia,
e poren foy-sse mui trist' e mui coitado.
A creer devemos que todo pecado...

E pensou que sempr' assi ja mais andasse
ata que algun bon crischão achasse
que lle nono pediss' e que o consellasse
como saysse daquel mao estado.
A creer devemos que todo pecado...

Atan muit' andou per terras e per mares,
soffrendo traballos muitos e pesares,
buscando ermidas e santos logares
u achasse tal om'. E tant' ouv' andado
A creer devemos que todo pecado...

Que achou un ome mui de santa vida
na Montanna Negra, en ha ermida;
e pois sa fazenda toda ouv' oyda,
ouve do cativo gran doo ficado,
A creer devemos que todo pecado...

E disse-ll': «Amigo, se me tu creveres
e desta ta coita bon consello queres,
vay Alexandria, e se o fezeres,
dar-ch-á y consello un fol trosquiado.»
A creer devemos que todo pecado...

Quand' aquest' oyu aquel ome cativo,
quiser' enton seer mais morto ca vivo;
e semellou-lle consello muit' esquivo,
e teve-ss' enton ja por desasperado.
A creer devemos que todo pecado...

E diss': «Aquesto semella-me trebello,
que poi-lo Papa nen todo seu conçello
en este feito non me deron consello,
como mio dará o que é fol provado?»
A creer devemos que todo pecado...

E o ermitan lle diss' enton: «Sandeçe
non á en aquel se non quanto pareçe
aas gentes, e tod' aquest' el padeçe
por lle seer de Deus pois galardõado.»
A creer devemos que todo pecado...

E o ome disse: «Pero eu fezesse
esto, non cuido que mio ele crevesse
se ll' ant' alga vossa carta non désse
per que fosse del creud' e ascuitado.»
A creer devemos que todo pecado...

E o ermitan deu-lle sa carta logo
que lle levasse, e disse-ll': «Eu te rogo
que lla leves, e se en este meogo
morreres, morrerás de Deus perdõado.»
A creer devemos que todo pecado...

Foi-s' o om' e punnou de chegar mui çedo
a Alexandria, que come Toledo
é grand' ou mayor; mais ya con gran medo
de non aver ali seu preit' ençimado.
A creer devemos que todo pecado...

E morou ena vila ben quinze dias,
buscand' o fol per carreiras e per vias;
e poi-lo non achou, disso: «A Messias
poss' eu aver ante que aquest' achado.»
A creer devemos que todo pecado...

Esto dizendo, viu vir muita gente
escarneçend' un ome mui feramente,
mui magr' e roto e de fol contenente,
e diss': «Aquest' é o que tant' ei buscado.
A creer devemos que todo pecado...

Pero se aquest' é fol, pela ventura,
aguarda-lo-ei tena noit' escura;
ca se el non é ben louco de natura,
algur irá long' albergar apartado.»
A creer devemos que todo pecado...

Dizend' aquesto, foi-ss' a noite chegando,
e o sandeu foi-sse da gent' esfurtando,
e el depos el, sempre o aguardando,
ata que o viu mui longe do poblado,
A creer devemos que todo pecado...

U entrava en ha eigreja vedra,
mui ben feita tod' a boveda de pedra,
pero con velleçe ja cuberta d'edra,
que fora d' antigo lugar muit' onrrado.
A creer devemos que todo pecado...

Pois aquel fol na ygreja foi metudo,
non vos semellaria fol, mais sisudo;
ca se deitou log' ant' o altar tendudo,
chorando muito com' avia usado.
A creer devemos que todo pecado...

E des i ergeu-s' e como quen ss'aparta
tomou dun pan d' orjo quant' é ha quarta
polo comer, mais o ome deu-ll' a carta
ante que huviasse comer nen bocado.
A creer devemos que todo pecado...

E pois que a carta ouve ben leuda
e ouv' a razon dela ben entenduda,
disse-lle chorand': «Eu vos farei ajuda,
e seed' esta noit' aqui albergado.
A creer devemos que todo pecado...

E dormid' agora, pois canssad' andades;
mais pois que for noite, nada non dormiades
nen vos espantedes por ren que vejades,
mais jazed' en este lugar mui calado.»
A creer devemos que todo pecado...

E fez-lle sa cama ben entre dous cantos;
e a mea noite aque-vo-los santos
con Santa Maria, e chegaron tantos
que todo o lugar foi alumado.
A creer devemos que todo pecado...

Os angeos Santa Maria fillaron
e ena çima do altar a sentaron
e os madudinnos todos ben cantaron,
e o fol cantava con eles de grado.
A creer devemos que todo pecado...

E pois que os ouveron todos ben ditos
de coraçon, ca non per outros escritos,
o fol chamou o outr', e 'n gollos fitos
vo ant' a Virgen muit' envergonnado.
A creer devemos que todo pecado...

E diss' o fol: «Sennor santa piadosa,
est' om' en sentença jaz mui perigoosa;
mays tu que es mui misericordiosa,
solta-ll' este laço en que jaz liado.»
A creer devemos que todo pecado...

Respos a Virgen con paravoas doces:
«Vay ora mui quedo e non t' alvoroçes;
e o que t' escomungou, se o connoçes,
chama-o ante mi, e serás soltado.»
A creer devemos que todo pecado...

Levantou-ss' o ome, e con el o louco,
e catou-os todos; mais tardou mui pouco
que achou o preste, que non era rouco
de cantar, pero muit' avia cantado.
A creer devemos que todo pecado...

Des i ant' a Virgen todos tres veron
e de como fora o feito disseron;
e ela disse, pois que llo dit' ouveron:
«Soltade-o, preste, pois sodes vingado.»
A creer devemos que todo pecado...

Foi-ss' enton a Virgen pois esto foi feito;
e o fol ao outro moveu tal preito
que sse foss', e teve-ss' end' el por maltreito
e disse: «Sol de m' ir non será pensado,
A creer devemos que todo pecado...

Nen que vos eu leixe, assi Deus m' ajude,
cá, pois que m' a Virgen mostrou tal vertude
por vos que mia alma cobrou ja saude
e o ben de Deus de que era deitado.»
A creer devemos que todo pecado...

O fol diss' enton: «Pois que ficar queredes,
toda mia fazenda ora saberedes:
non soon louco, nen vos nono cuidedes,
pero ando nuu e mui mal parado.
A creer devemos que todo pecado...

Ca esta terra foi de meu poderio,
e meu linnage a mantev' a gran brio;
e morreron todos, e o sennorio
me ficou end' a mi, e fui rei alçado.
A creer devemos que todo pecado...

E macar vos paresc' ora tan astroso,
muito fui loução, apost' e fremoso,
ardid' e grãado, ric' e poderoso,
e de bõas mannas e ben costumado.
A creer devemos que todo pecado...

E seend' assi sennor de muitas gentes,
vi morrer meu padr' e todos meus parentes;
e en mia fazenda enton parei mentes
e daqueste mundo fuy log' enfadado.
A creer devemos que todo pecado...

Enton cuidei logo como me partisse
daquesta terra que neun non me visse,
e que como fol entr' as gentes guarisse
per que fosse do mundo mais despreçado.
A creer devemos que todo pecado...

E por razon tive que en esta terra
dos meus que soffresse desonrra e guerra
por amor de Deus, que aos seus non erra
e polos salvar quis seer marteirado.
A creer devemos que todo pecado...

Aynda vos direi mais de mia fazenda:
d' oj' a quinze dias serei sen contenda
no Parayso, e dou-vos por comenda
que ata enton sol non seja falado.»
A creer devemos que todo pecado...

Assi esteveron, que non se partiron,
ambos de su, e cada noite viron
a Santa Maria; e pois se conpriron
estes quinze dias, o fol foi passado.
A creer devemos que todo pecado...

E Santa Maria, a que el servira
porque sse do ben deste mundo partira,
levou del a alma, ca des que a vira,
en a servir fora todo seu cuidado.
A creer devemos que todo pecado...

E pois que foy morto, quis Deus que soubessen
sa mort' os da vila e logo vessen
sobr' el fazer doo e ll' onrra fezessen
com' a seu sennor natural e amado,
A creer devemos que todo pecado...

Que os avia mui gran tenp' enganados,
e que o perderan pelos seus pecados;
mais Deus por el logo miragres mostrados
ouve, por que fosse pois santo chamado.
A creer devemos que todo pecado...

E gran doo fez por el seu companneiro,
e quant' el viveu foi senpr' ali senlleiro,
guardand' o sepulcro; mais Deus verdadeiro
levó-o consigu', e el seja loado. Amen.
A creer devemos que todo pecado...