Cartas Chilenas/XII

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cartas Chilenas por Tomás Antônio Gonzaga
12ª Carta

Aquele que se jacta de fidalgo

Não cessa de contar progenitores

Da raça dos suevos, mais dos godos;

O valente soldado gasta o dia

Em falar das batalhas, e nos mostra

Das feridas, que preza, cheio o corpo;

O louco namorado não descansa

Enquanto tem quem ouça as aventuras,

Que fez com as madamas, mais senhoras,

Benzendo-se mil vezes, quando chega

Aos lances apertados de ser visto

Dos maridos, dos pais e dos parentes,

Em que, só por milagre, não foi morto.

Assim, assim, também, o teu Critilo

Não cansa de escrever-te, enquanto encontra

Do tolo Fanfarrão, do indigno chefe,

Estranhas bandalhices, que te conte.

Ah! sofre, amigo, que te gaste o tempo,

Pois conter-se não pode, bem que queria,

Que a força da paixão assopra a chama,

A chama ativa do picante gênio.

Já sabes, Doroteu, aonde chega

Do nosso Fanfarrão a bizarria,

Em premiar serviços de uma dama.

Agora, nesta carta, vou mostrar-te

Até aonde chegam as grandezas

Que fez com os marotos, por que tenhas,

Do seu fidalgo gênio, noção clara.

Qual negra tempestade, que carrega

As nuvens de cupins e de formigas,

Que criam, com as chuvas, longas asas,

Assim o nosso chefe traz consigo,

Arribação infame de bandalhos,

Que geram, também, asas, com a muita,

Nociva audácia que lhes dá seu amo.

Na corja dos marotos aparece

Um magriço mulato, a quem o chefe,

Por ocultas razões estima e preza.

Talvez que, noutro tempo, lhe levasse

Os miúdos papéis às suas damas.

Ocupação distinta, que já teve

Um famoso Mercúrio, que comia

Sentado à mesa dos mais altos deuses.

Deseja o nosso chefe que este lucre

Quatrocentas oitavas, pelo menos,

E, para que não saiam de seu bolso,

Descobre esta feliz e nova idéia:

Dispõe dos bens alheios como próprios.

No público teatro de Lupésio

Ordena, Doroteu, se represente

Uma vista comédia, por que fiquem,

Para o velho mulato, os lucros dela.

Ordena, ainda mais, que o seu Robério

Os boletos reparta pelas damas,

Pelos contratadores opulentos

E por quantos casquilhos os quiserem

Pagar, ao menos, por dobrado preço.

Robério assim o faz; supõe, coitado,

Que prometeu pedir alguma missa.

E, junto c’o mulato, vai entrando

Em uma e outra casa, aonde deixa

Ou selado papel, para a platéia,

Ou, com tábua pendente, a velha chave.

Ah! nota, Doroteu, que ação tão feia!

Aquele bruto chefe que não paga,

As pessoas mais nobres, o cortejo

Sequer por um criado, agora manda

Que o seu próprio Robério, o seu bom aio.

Ande de porta em porta, qual mendigo,

Pedindo para um bode a benta esmola!

Então, amigo, a quem? a quem? aos mesmos

Que tem desfeiteado muitas vezes

E às pobres, que é mais, às pobres moças

Que hão-de ganhar, à custa de seu corpo,

Com que possam pagar deste convite

Um tão avantajado, indigno preço.

Maldito sejas tu, pouca vergonha,

Que tanto influxo tens sobre este leso!

Chegou-se, Doroteu, a noite alegre

Destinada à função, e o vil Robério

Dá nova prova de fervor e zelo:

Vai-se pôr, com o traste do mulato,

Na porta da platéia, e, quando acaba

A primeira jornada, também corre

Os cheios camarotes: fina idéia!

Para ver se os tolinhos, assim, largam,

Na copa do chapéu, que a esmola apanha,

Embrulhos de mais peso ! Ah ! doce amigo,

Quem bandalho nasceu, ainda que suba

Ao posto de maior, morreu bandalho,

Que o tronco, se dá fruto azedo, ou doce,

Procede da semente e qualidade

Da negra terra, em que foi gerado.

Servia-se este chefe de um lacaio,

E, por não lhe pagar salário certo,

Deu neste ardil, também: quando ia às festas

Lhe dava o seu brandão, e as mais pessoas,

Que estavam na tribuna, por obséquio,

Lhe davam as compridas, grossas velas.

Se dava algum despacho, de que vinha

Proveito à parte rica, lho entregava,

Por que fosse ganhar o grande prêmio

Com que os néscios, servidos, o brindavam.

Nas vésperas, amigo, da partida,

Tratou de lhe fazer maior a safra:

Passou atestações a todo mundo

E, sem saber se o mundo lh'as queria,

Mandou ao mesmo servo as entregasse

E os prêmios do trabalho recolhesse!

Maldita sejas tu, pouca vergonha,

Que tanto influxo tens sobre este leso!

Havia, Doroteu... mas não gastemos

O tempo em referir mais bandalhices

Da mesma natureza; refiramos

Outras, que sejam de diversa classe.

Não quero, Doroteu, que o justo tédio,

Que infunde a semelhança, te duplique

O tédio, que produz a minha frase.

Fizeram os devotos de uma imagem,

Da festa protetor, ao grande chefe.

Aceita o Fanfarrão do cargo a honra

E medita fazer um grão festejo.

Ordena aos cavalheiros, que vieram

Correr as argolinhas, em obséquio

Do ditoso consórcio dos infantes,

Que esperam, nesta terra, à sua custa,

E que, nos dias da função, repitam

Os feitos jogos, com o mesmo lustre.

Manda que o grande curro, que o Senado

Fez levantar, na praia, permaneça,

E venham os boizinhos, que, por serem

Mais bravos do que os outros, se guardaram,

Mal rapavam o chão e mal corriam,

Atrás do mau capinha, no terreiro.

Eis aqui, eis aqui, amigo, o como

Se fazem coisas grandes, sem despesa.

Manda mais o bom chefe que se aluguem

Os palanques a quatro oitavas d’ouro,

Para que se comprasse um patrimônio,

A sacrossanta imagem, deste lucro.

Que sábias intenções, que fins tão santos!

Celebram-se os festins e não escapa

Um camarote só, que não se alugue;

Mas deste rendimento não se sabe,

Que a compra se meteu, de todo, à bulha.

Não penses, Doroteu, que o nosso chefe

Comeu este dinheiro. Longe, longe

De nós este tão baixo pensamento.

Indo já no caminho, o seu Matúsio

Passou, sobre Marquésio, certa letra.

Para que se pagasse ao Santo Cristo.

Agora considera se este fato

Não mostra que ele zela a consciência.

Agora inquirirás se o tal Marquésio

Pôs na sacada letra o seu "aceito".

Não pôs, não pôs, amigo, porque disse

Que deste passador não tinha efeitos.

Porem o bom Matúsio, mais seu amo,

Levam as consciências descansadas,

Pois não devem supor, pelo costume,

Que a letra não pagasse o mau rendeiro.

Maldita sejas tu, pouca vergonha,

Que tanto influxo tens sobre este leso!

Roubou um seu criado a certa escrava

E dentro lha meteu, do seu palácio.

Conheceu o senhor quem fez o furto,

E foi pedir ao chefe que mandasse

Que o terno roubador restituísse

A serva, com os lucros! pois cedia

De toda a mais ação, que a lei lhe dava.

Que entendes, Doroteu, que obrou o chefe?

Que fez um sério exame sobre o caso?

Que, conhecendo ser a queixa justa,

Meteu, em duros ferros, ao criado?

Que não lhe perdoou, enquanto o mesmo

Ofendido queixoso não lhe veio

Suplicar o perdão da culpa grave?

Devias esperar que assim fizesse,

Mas, quando a razão pede certa coisa,

Ele, então, executa o seu contrário.

Não zela, Doroteu, a sã justiça,

Nem zela a honra própria, maculada

Na sua habitação, que o servo muda

Em torpe lupanário. Não, não zela;

Antes, prezado amigo, austero, estranha

Ao mísero queixoso, que se atreva

A supor que os seus servos são capazes

De poderem obrar excessos destes.

Maldita sejas tu, pouca vergonha,

Que tanto influxo tens sobre este leso.

Passados alguns tempos, Ludovino

Encontrou, uma noite, a sua escrava

E à casa conduziu do bom Saônio,

Aonde, em hospedagem, se abrigava.

Aqui lhe perguntou a longa história

Da fugida que fez, e a triste serva,

Com animo sincero, assim lhe fala:

"Ribério me induziu a que fugisse,

Meteu-me no seu quarto, aonde estive,

Fechada, muitos dias. Alugou-me,

Depois, uma casinha; aqui me dava,

Dos sobejos da mesa de seu amo,

Para eu alimentar a pobre vida.

Tive dele dois filhos; o demônio

Enganou-me, senhor, cuidei... “E, nisto,

Queria mais dizer, porem, de pejo,

As lágrimas lhe estalam, e se cortam

As últimas palavras, com suspiros.

Agora dirás tu, amigo honrado:

"Agora, agora sim, agora é tempo,

Insolente Ribério, de nós vermos,

Para exemplo dos mais, o teu castigo.

Os soldados já marcham, já te prendem,

Já vens maniatado, já te metem

Na sórdida enxovia, já te encaixam,

No pescoço, a corrente, e vais marchando

Com rosto baixo, a ver Angola ou Índia.”

Devagar, devagar com essas coisas:

Os servos de palácio são os duques

Do nosso Santiago, e não se prendem

Por essas, nem por outras ninharias.

Atrevidos soldados já se aprontam,

Mas não para prenderem a Ribério,

Sim para conduzirem, entre as armas,

Ao pobre Ludovino e à sua serva,

Que já buscando vão à sua casa,

Que dista desta terra muitas léguas.

É o mesmo Ribério quem

A fazer, Doroteu, a diligência,

Cobrindo a testa da insolente esquadra.

Já viste, Doroteu, insultos destes?

Já viste que pertenda um homem sério

Que, à força, um bom senhor de si demita

A escrava desonesta, porque possa

Ficar na mancebia? Já, já viste

Que se mande prender ao ultrajado

Pelo mesmo ladrão? Ah! caro amigo

Que, destas insolências que te conto,

Apenas pode ver quem mora em Chile!

Maldita sejas tu, pouca vergonha,

Que tanto influxo tens sobre este leso!

Há, nesta grande terra, um homem sábio

E o único formado em medicina.

A este bom doutor estimam todos,

Por sua profissão, por seus talentos,

Por seu afável modo e, mais que tudo,

Pelas muitas virtudes que respira.

Curava o nosso sábio a certo enfermo

E, vendo a vária febre e os mais sintomas,

Ordena que ele tome um copo d’água

A que dá de Inglaterra o povo o nome.

Manda-lhe o boticário uma botelha,

Que já servido tinha; o sábio, atento

A que ela poderia ter perdido

A força natural, a não aprova

E passa a receitar outro composto,

Que possa produzir o mesmo efeito.

Chorando, o boticário sobe ao chefe

E diz-lhe que o doutor a rejeitara.

Por ser seu inimigo e, desta sorte,

Tirar-lhe, da botica, o bom conceito.

Manda o chefe chamar aos boticários

E manda que examinem a garrafa;

Concordam os doutores que não tinha.

Ainda, corrupção, talvez por verem

Que ainda conservava algum amargo.

Então, então o chefe, enfurecido,

Ordena ao ajudante que, ali mesmo,

Avise ao professor que ele tem ferros,

Cadeias e galés, com que reprima,

Se neles prosseguir, os seus excessos.

Maldita sejas tu, pouca vergonha,

Que tanto influxo tens sobre este leso!

Pensavas, Doroteu, que o nosso chefe

Passasse à insolência, que refiro,

De insultar, por amor de um vil mulato,

Um velho professor tão bem aceito,

Um velho professor, alem de sábio,

Na terra singular, no seu oficio?

Não, meu prezado amigo, não pensavas;

Pois quero, Doroteu, dizer-te a causa:

Esta grave ameaça e grave insulto

Foi feita em tom de paga, porque o bode

Curava, cuidadoso, ao próprio chefe,

De mal oculto, que a modéstia cala.

Maldita seja tu, pouca vergonha,

Que tanto influxo tens sobre este leso!

Ah! dize, Doroteu, por que motivo

O pai de Fanfarrão o não pôs antes

Na loja de algum hábil sapateiro,

C’os moços aprendizes deste oficio?

Agora dirás tu: "Nasceu fidalgo

E as grandes personagens não se ocupam

Em baixos exercícios." Nada dizes.

Tonante, Doroteu, é pai dos deuses:

Nasceu-lhe o seu Vulcano e nasceu feio.

Mal o bom pai o viu, pregou-lhe um coice

Que o pôs do Olimpo fora, e o pobre moço

Foi abrir uma tenda de ferreiro.