Castelo Perigoso/LIV

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo LIIII – Da quinta porta que é o tocamento, e das quatro virtudes cardeais


A quinta porta é o tocamento, pelo qual o coração muitas vezes é preso e empeçonhado e morto, assim como dito é onde falamos da confissão e abasta. O porteiro desta porta é justiça, que isso mesmo é uma das quatro virtudes cardeais. Esta dá a cada um o que seu é, e quando homem dá a cada um o seu e faz como queria que lhe fizessem, esta é boa direitura de justiça, que é porteiro do tocamento.

Ca todo homem ou mulher, no reino do seu corpo, deve todos seus membros manter em justiça e direitura e ordená-los ao fim por que são feitos, isto é, servir Deus; e se alguns se rebelam, deve-os constranger por justiça e disciplina, ca o sage diz: "Ao mau servidor cumpre prisão e cárcere".

Ora, havemos postos às portas do castelo porteiros e guardas diligentes, do que aí há: três de virtudes cardeais, scilicet, fortaleza, temperança e justiça. E não falece senão a quarta, que é chamada prudência, que deve ser a primeira das quatro.

Esta virtude não é outra coisa senão saber conhecer o bem e o mal e escolher o bem e deixar o mal. E porque esta virtude é assim comum que quem a houvesse e bem usasse dela não lhe era necessário outro porteiro a todas as portas de seu castelo, por isto não é ela posta a uma só porta, mas é guarda geral a todas.