Castelo Perigoso/XL

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo XL – Da pobreza e paciência do Senhor e de como é muito proveitoso pensar em seus tormentos


Primeiro ele se dá a nós em irmão e companheiro em sua encarnação, quando ele, que é, foi e será sempre Senhor de toda criatura, filhou forma de servo para nos servir. E ele disse no Evangelho: "Eu não vim para ser servido, mas para servir".

Isso mesmo deve pensar a devota pessoa: que o rei da glória não naceu em câmara, nem em sala, mas em bem pobre lugar u prendiam bestas; nem foi embrulhado em cueiros nem grises, mas em muito pobres panos; nem foi lançado em berço lavrado de ouro nem de prata, mas em uma pobre manjadoura de bestas, onde não havia fogo, que a sua tenra carne aquentasse nem água quente em que fosse banhado. Asinha começou sofrer pobreza aquele doce senhor por nós, porque de bom coração não deveríamos desprezar pobreza, mas amá-la.

Desde aí, este gracioso senhor ao oitavo dia de sua nascença começou esparger o seu precioso sangue por nós, quando foi circuncidado, e pela perseguição de Herodes conveio ser trazido de noite, assim como mal feitor, por estranha terra.

Desde aí, ele se nos deu em mestre em sua santa pregação e exemplo de vida virtuosa e de perfeição e em sua conversação. Assim deve homem pensar os trabalhos e fome e sede e frio e quentura e os tortos e injúrias e desprezos e perseguições, que o bom Jesus Cristo sofreu andando de vila em vila pela culpa dos pecadores, e a grande piedade que ele havia daqueles que verdadeiramente se repreendiam de seus pecados de que os Evangelhos são cheios; e como ele quis ser tentado do diabo.

Ainda se nos deu em preço de remimento, ca ele nos comprou das penas do inferno por seu precioso sangue. Aqui pode homem bem conhecer o preço de sua alma, ca diz são Paulo: "Deus não nos comprou de ouro nem prata nem de pedras preciosas, mas de puro sangue de cordeiro sem mágoa, que ele abundosamente por nós espargiu".

Pois a quem preguntarem: "Quanto vale tua alma?" deve responder: "Esguarda o preço de que foi comprada, o qual é tão grande que não pode ser apodado". Este é o Filho de Deus e rei da glória, o mais formoso, o melhor e mais sages, e mais rico e mais poderoso de quantos forom nem serão, o qual se deu por tua rendição e por comprar tua alma.

Ora, pensa se é digna coisa a alma de que Deus é o preço. Muito é sandeu e mau quem por uma pequena deleitação ou prazer, que passa antes que se acabe, tão nobre e assim digna coisa quer meter na mão do diabo e em sua prisão, à sua confusão e contra a vontade daquele que o tão caro comprou.

Hoo devotas pessoas! Defendei, assim como diz são Gregório, a honra do nosso tão bom Senhor com vosso muito grande proveito, contra nossos vícios, e pensai e imaginai em vossos corações do grande vagar, não como coice em brasa, a sua bendita paixão de ponto a ponto.

Esguardai o rei da glória, alegria dos anjos do céu, por nos dar prazer e vida sem fim, como é apressado e triste até a morte, segundo ele mesmo disse a seus discípulos, quando se apartou a orar. Então viu ele por uma imaginação ante seus olhos tudo o que havia de sofrer, e caiu em um tão grande espanto, segundo a humanidade, que de toda a sua tenra carne degotava sangue até a terra. E disse: "Padre, se possível é, passe este cálice por mim". Mas amor lhe fez dizer depois: "Não como eu quero, mas como a ti praz".

Logo veio Judas, que o traíra, e com ele os judeus, que o haviam de prender. E o Senhor foi contra eles e demandou-lhes: "Quem buscais ?" A esta só voz caíram todos em terra de medo. Hoo, doce Jesus, bem mostrastes em este feito que de vossa boa vontade éreis oferecido.

Então veio Judas e deu-lhe o malicioso beijo e os bravos judeus o filharam e ligaram como ladrão ou mal feitor e levaram-no ao Bispo Anás, e foi toda aquela noite despendida em o aviltar e desprezar e escarnecer e o ferir de bofetadas e lançar escarros sujos em aquela gloriosa face que os anjos desejam esguardar e jugavam daquele que é verdadeira sabedoria de Deus assim como de um sandeu.

Hoo doce Senhor Jesus Cristo, bem éreis abundado de amor, que, segundo diz Isaías, nunca tornastes vossa face de seus sujos jogos nem abristes vossa boca por uma só palavra responder ao que vos fizeram.

Ora, devotas criaturas, por que aquele rei da glória tanto sofreu não esqueçais tal benefício, que este é um grande (embrasamento?) para o amar, ainda que mais não fosse. Mas muito mais aí houve.