Castelo Perigoso/XLIV

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo XLIIIIº – De três maneiras de lágrimas que havemos a haver da sua morte e de como à hora de véspera foi descido da cruz


Hoo vós, devotas pessoas, esguardai profundamente dos olhos de vosso coração vosso Senhor e vosso Deus, aquele que é verdadeiro lume do céu, alegria e glória dos anjos e dos santos, o mais formoso de todos os homens, pendendo morto na cruz como mal feitor, feio e sem formosura por nosso amor. Não sejais mais duros que as criaturas insensíveis que hão compaixão do seu Senhor, como dito é. Se vós sois verdadeiros membros e sãos, vós deveis sentir os tormentos de vossa cabeça e Senhor, que vos tão caro comprou, e deve-se-vos fender o coração por compaixão e contrição, e tremer todo de medo e abrir-se todo por lágrimas de devoção.

E se vós sois amigos verdadeiros, estas três maneiras de lágrimas deveis de haver: de contrição, de compaixão, de devoção, e por as três causas da morte do vosso amigo:

A primeira é que ele morreu por nossos pecados, segundo diz são Paulo, e por nos tirar de danação. E por isto devemos de haver lágrimas de contrição.

A segunda causa de sua morte, quanto é da sua parte, foi o amor que nos havia, ca ele nos lavou de nossos pecados no seu sangue, segundo diz são João no Apocalipse. E porque nosso amor o fez morrer, devemos de haver lágrimas de devoção.

Desde aí, aquele que é morto de tão cruel e vergonhosa morte é nosso irmão, segundo a humanidade, e nosso Padre segundo a divindade. Por isto devemos haver lágrimas de piedade e compaixão.

Muito seria afastado de boa natureza quem visse seu padre e seu irmão morrer a torto de tão vil morte, se não fosse movido a compaixão. E sem dúvida se nos esguardarmos bem dos olhos do coração as penas e a vergonhosa pobreza que nosso amigo por nós padeceu, nós deveríamos deixar e desamar os deleites deste mundo e as honras e amar ser pobre com o nosso tão bom amigo.

Ainda nos cresce razão de chorar e mais amar, ca os cruéis judeus, depois da morte do nosso doce amigo Jesus Cristo, que sobre todas as cruezas foi avantajada, fizeram o seu santo costado passar de uma lança, donde sangue e água saíram para nos guarecer e lavar. E ainda que os judeus o mandassem fazer movidos por crueldade, o doce Jesus ordenou ser assim com grande amor nosso, porque os seus, que amassem pobreza e humildade, podessem entrar até o seu coração e juntar um coração com outro.

Certo, quem avantajadamente ama, achará o caminho feito até o seu coração, e não lhe falece senão em caminhar por ardente amor e devota compaixão. À hora de vésperas foi o seu corpo descido da cruz. Ora, pensaie a maneira de descer e como seria recebido aquele corpo morto. E da triste sua madre, que presente era os suspiros e gemidos mal poderiam ser escritos.