Castelo Perigoso/XLVIII

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo XLVIII – Da Salve Regina e milagres dela, e do pensar que o homem deve a haver em os muitos benefícios de Deus; desde aí, como o verá de face a face


Quando homem pensa nos gerais benefícios que Deus faz a toda pessoa, assim deve pensar nos especiais, assim como no Batismo e o fazer nascer de padre e madre Cristãos, e como o guarda e defende de muitos perigos e pecados em que caíra, se ele não fora; e como nos atende até pendência e emenda dos feitos, e como não segundo nossa maldade nos chama a seu serviço; e outras muitas graças que cada um em si mesmo bem pode conhecer. E assim embrase seu coração no amor de Deus.

E pode homem dizer o que a santa alma diz nos Cânticos: "Meu amigo é todo meu e eu sou toda sua". Desde aí, ele nos deu sua Madre por advogada e socorro em todas nossas necessidades. Bem ama o juiz a causa de que faz sua madre advogada.

E certo bem procura por nós, que se lê de um convento em que cada dia cantavam a Salve Regina, e um santo homem via no céu Nossa Senhora que se punha em joelhos ante seu Filho, rogando pelo povo nesta palavra: "Eia erguo aduocata nostra", especialmente por aquele convento.

Pouco ama sua necessidade quem com Deus há de fazer, que se primeiro não encomenda a esta advogada por cujas mãos todos os bens de Deus nos vêm, segundo diz são Bernardo.

E ainda deve homem de haver por benefícios de Deus tribulações, enfermidades e desprezos e dar graças a Deus por o bem e proveito que nos fazem;e não se queixar nem bradar por murmuração ou impaciência, como a má pessoa que brada quando a fere seu direito marido algum pouco, mas todo mal que seu ribaldo lhe faça, ela o sofre ledamente.

Jesus Cristo é nosso verdadeiro esposo; pois filhemos em paciência todo o que nos ele envia, assim como fazem os pecadores, que são amigos do mundo e do diabo, que não contam trabalho que passem por cumprir sua má vontade.

Quando um grande homem filha uma pobre mulher em terra onde não é conhecido, ele lhe não faz então grande festa, mas faze-a depois que é em sua terra. Assim é espiritualmente, que Jesus Cristo veio a este mundo onde dos seus foi pouco conhecido, segundo diz o Evangelho, e juntou-se por casamento à humanal natureza, embora não lhe fez comprida festa, porque muito al teve de fazer. Mas quando ela for com ele em sua glória, que é o paraíso, se fará a maravilhosa festa, e por um pequeno trabalho que ela haverá sofrido, receberá grande e sem fim alegria, ca Deus se dará a alma na vida da glória em galardão que ela o verá face a face, assim como ele é.

Que é, diz Hugo de são Vítor, a glória dos santos e a sobre todas bem-aventurança, se não ver Deus em três pessoas e entendê-lo claramente? E diz Isaías: "Olhos não poderiam esguardar, nem orelhas escutar nem coração pensar o que Deus aparelha a seus amigos". E Santo Anselmo diz: "Hoo, criatura, que vais ensandecendo em buscar desvairados bens à tua alma e ao corpo: ama um só bem, que é Deus, em que são todos os bens, e basta".

Ora, pensemos como Deus nos amou quando toda criatura do céu e do mar e da terra deu a nosso proveitoso serviço, e si mesmo em irmão e companheiro e em mestre e exemplo, e em preço de remimento e em vianda no Sacramento do altar e galardão na glória perdurável. Pois muito o devemos de amar, e amando-o sem fim o haveremos. O que ele nos queira outorgar. Amém.