Contos Tradicionaes do Povo Portuguez/A lenda dos ferreiros

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos Tradicionaes do Povo Portuguez por Teófilo Braga
228. A lenda dos ferreiros


228. A LENDA DOS FERREIROS

Nas proximidades de Penella ha dois montes bastante elevados e de fórma mais ou menos conica.

Dois ferreiros, dizem que irmãos, foram estabelecer as forjas cada um em seu monte, mas possuindo ambos um só martello, d'elle se serviam alternadamente. Os montes, na sua parte superior distam uns dois kilometros um do outro; e quando o Mello, assim se chamava um dos ferreiros, precisava do martello, chegava á porta da forja e gritava para o Jurumello, assim se chamava o outro, para lh'o atirar. Os dois ferreiros eram gigantes; uma vez zangou-se o Jurumello com o companheiro, e atirou-lhe o martello com tanta violencia, que desencavando-se este no ár, foi cair o ferro na encosta do monte Mello, e logo d'ahi brotou uma fonte de agua ferrea, e o cabo, que era de madeira de zambuja, foi espetar-se na terra, reproduzindo-se um zambujo, que deu o nome á povoação do Zambujal, a quatro kilometros dos referidos montes.

(Ap. Positivismo, t. II, p. 452. Porto, 1880.)




Variante:

Havia um ferreiro no monte de Arcella e outro no de Guisande (Minho), mas tinham entre si apenas um malho com que trabalhavam. Quando um descansava atirava o malho ao outro, de monte a monte.

(Cercanias de Vermoim. — Ap. Epopêas Mosarabes, p. 102. Porto, 1871.)