Contos Tradicionaes do Povo Portuguez/A velha das gallinhas

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos Tradicionaes do Povo Portuguez por Teófilo Braga
65. A velha das gallinhas



65. A VELHA DAS GALLINHAS

Havia uma velha, que estava sempre ao postigo até que horas. As filhas perguntavam-lhe:

— O que é que a mãe faz ahi ao postigo por essa noite adiante?

— Deixem-se lá, filhas, que é do postigo que as heide casar.

Passado tempo foi a velha ao palacio fallar á rainha:

— Venho aqui saber se vossa magestade quer mandar ensinar algumas das suas gallinhas a fallar?

— Hade ter sua graça! disse a rainha. Quero, quero.

E mandou-lhe entregar uma duzia de gallinhas. A velha foi para casa, e uns poucos de dias viveram á tripa larga, ella e mais as filhas, comendo gallinha cosida e assada, frita e fritangada. Quando se acabaram, tornou a velha ao palacio, e disse á rainha:

— Ai minha rica rainha, tenho uma paixão de estalar; as gallinhas já estavam fallando tão claro, que hoje tencionava vir entregal-as. Quando as estava ajuntando, ellas que começam n'uma cantarolada:

Có-co-ro-có, cá-ca-ra-cá
A nossa Rainha com o Cabra está.

— Eu ainda as quiz callar, mas as gallinhas disseram-me que do seu poleiro bem viram o conde Cabra entrar para o palacio; eu desesperada fechei-as, e venho saber o que quer vossa magestade que se faça.

A rainha ficou muito desesperada, e deu-lhe ordem que fosse logo para casa, e que as matasse, sem ficar nenhuma, e que não queria mais gallinhas que fallassem. E deu-lhe muito dinheiro, para que a mulher não dissesse a ninguem o que tinha acontecido, e que quando tivesse alguma necessidade viesse a palacio, que a ajudaria. Foi assim que a velha conseguiu arranjar meio de casar as suas filhas, a quem a rainha deu muitos bons dotes.

(Algarve.)


Notas[editar]

65. A velha das gallinhas. — O thema d'este conto acha-se no Violier des Histoires romaines, cap. 56, p. 168. São trez gallos que revelam, segundo a interpretação da camareira, a infidelidade da senhora. Este conto acha-se, segundo Gustave Brunet, no Dialogus creaturarum moralisatus e por ventura generalisou-se na Europa a titulo de Exemplo de prégadores.