Contos Tradicionaes do Povo Portuguez/O capão tornado sapo

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos Tradicionaes do Povo Portuguez por Francisco Saraiva de Sousa
170. O capão tornado sapo



170. O CAPÃO TORNADO SAPO

Houve um homem pobre, o qual veiu a ter muita fazenda, e não tendo mais que um filho, certa gente procurou de o casar com uma filha sua; a nóra o começou (como costumam) a aborrecer tanto, que o não podia vêr; e como mulheres muitas vezes podem muito no mal, pôde tambem com o marido, para que aborrecesse seu pae, de modo que tambem o não podia vêr; o pobre pae morria de fome, seu comer eram favas muito ruins, e com esta grande fome chegou um dia á porta do filho pedindo que lhe désse de comer; tinha um capão cosido para jantar, mas logo o escondeu mettendo-o em uma arca, e dando ao pae uma tigella de favas, o deitou pela porta fóra, e acabando de as comer, despois que se foi, disse á mulher: — Agora comeremos á nossa vontade, ide buscar o capão; — o qual o achou que se tinha tornado em um terrivel e espantoso sapo, que logo lhe saltou no rosto, aferrando-lhe os dois pés na barba e as mãos na testa, não havia quem o pudesse desapegar; foi um homem com uma tenaz pegando d'elle para o tirar, o sapo o atravessou com os olhos, tão terrivel e peçonhentamente, que logo cahiu no chão, nem houve quem pudesse dar remedio a tal caso.

(Francisco Saraiva de Sousa, Baculo Pastoral de Flôres de Exemplos, t. I, p. 87. Ed. 1657.)





Notas[editar]

170. O capão tornado sapo. — Cita-se uma variante de Cesario, lib. 60, cap. 22, em que em vez de um sapo era uma serpente.