Contos Tradicionaes do Povo Portuguez/Os ditados novellescos

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos Tradicionaes do Povo Portuguez por Teófilo Braga
126. Os ditados novellescos


OS DITADOS NOVELLESCOS


I. — Fórmulas iniciaes


Era uma vez um Conde,
E ia por uma ponte…
Queres que te conte?

*

Era uma vez um Bispo…
Não sei mais do que isto.

*

Era uma vez um Rei…
Aqui está o que eu sei.

*

Era uma vez
Um Rei e um Bispo,
Acabou-se o conto,
Não sei mais do que isto.

*

Era uma vez
Um cêsto e uma canastra…
Para conto já basta.

*

Era uma vez uma menina
Chamada Victoria,
Morreu a menina,
Acabou-se a historia.


*

Era uma vez um homem
Que vivia n’uma aldeia,
Não tinha medo á fome
Em tendo a barriga cheia.

*

«Era uma vez
Um porco montez,
Alça-lhe o rabo,
Chupa-lhe o pez.
— Alça-lh’o tu,
Que és mais cortez.
«Chupa-lh’o bem,
Quanto mais chupas
Mais elle tem.

II. — Fórmulas finaes

Quem o disse está aqui,
Quem o quizer saber vá lá.

*

A certidão está em Tondella,
Quem quizer vá lá por ella.

*

Está a minha historia acabada,
Minha bocca cheia de marmellada.

*

Está a minha historia dita,
E a tua bocca cheia de furrica.

*

— E depois?
«Morreram as vaccas,
Ficaram os bois .

*

Quem o disse está aqui,
O que já lá vae, lá vae;
Sapatinho de manteiga
Escorrega mas não cáe.

*

Entrou por uma porta
E sahiu por outra;
Manda el-rei meu senhor
Que me conte outra.

III. — Fórmulas proverbiaes dos contos

Quem conta um conto
Accrescenta-lhe um ponto.

*

De longas vias
Longas mentiras.

*

Foi Maria á fonte,
Trouxe que contar todo o anno.

fim do volume i.

Notas[editar]

Pag. 224. Ditados novellescos. — Nas tradições populares são frequentes estes estribilhos iniciaes e finaes. Colhemos alguns da collecção de Leite de Vasconcellos, no Folk Lore andaluz, p. 214. Rodriguez Marin, nos Contos populares españoles, t. V, p. 46, traz as seguintes fórmulas iniciaes: Era vez y vez, Erase que se era, que nos parece analoga á fórma insulana: Era, não era, no tempo da éra. Marin cita um trecho de Quevedo (Musa VI, rom. 29):

Doncellas no sé que son,
Porque me contó una vieja,
Que ya son sólo en los cuentos
Fruta de Erase que se era.

E Cervantes tambem escreve: «Suelen los muchachos antes de comenzar un cuento ó consexa, decir:

Erase lo que era:
el mal que se vaia
y el bien que se venga;
el mal para los moros
y el bien para nos otros.

(Quijote, I, 20.)

Em Cuba repete-se um estribilho em fórma de conto, com que se arrelia ás crianças; tral-o Marin:

Este era um gallo pelado,
que tiene los pies de trapo
y la cabeza al revés;
Quieres que te lo cuente otra vez?

(El nino responde que — si.)

Yo no digo que digas si,
Si no que si quieres que te cuente
el cuento del Gallo-pelado.

(Cantos populares españoles, t. V, p. 16.)

A circumstancia de alçar o rabo e chupar o pez, acha-se em um estribilho da Extremadura hespanhola:

Era uma vez y vez
Una cabrita
Que tenia um chivito
Con los ojos de ver
Y el culito de lamer.
Quieres que te le conte otra vez?

(Folk Lore Betico Extremeño, p. 210.)

Costa Cascaes, no Panorama (t. XII, p. 115 e 118), traz intercaladas em uns versos seus, algumas fórmulas finaes. Vid. nota 118. No final de um conto de Huelva vem «unos zapatitos de manteca».