Contos de Andersen/O menino insolente

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos de Andersen
por Hans Christian Andersen
06 – O menino insolente

O menino insolente[editar]

"O menino insolente
ilustração de William Heath (1872-1944)"

Há muito tempo, vivia um velho poeta, um velho poeta muito gentil. Quando ele estava sentado uma noite em seu quarto, uma tempestade terrível surgiu, e a chuva escorreu do céu; mas o velho poeta sentou-se quente e confortável em sua lareira, onde o fogo ardia e a maçã assada assobiava.

"Quem não tiver um teto sobre a cabeça ficará molhado na pele", disse o bom e velho poeta.

"Oh, deixe-me entrar! Deixe-me entrar! Estou com frio e estou tão molhado!" exclamou de repente uma criança que estava chorando na porta e batendo na entrada, enquanto a chuva caía e o vento fazia todas as janelas estremecerem.

"Pobre coisa!" disse o velho poeta, quando foi abrir a porta. Havia um garotinho, completamente nu, e a água escorria de seus longos cabelos dourados; tremia de frio e, se não tivesse entrado em uma sala quente, certamente teria morrido na terrível tempestade.

"Pobre criança!" disse o velho poeta, enquanto pegava o garoto pela mão. "Entre, entre, e em breve te revigorarei! Terás vinho e maçãs assadas, pois és realmente uma criança encantadora!"

E o garoto era realmente muito encantador. Seus olhos eram como duas estrelas brilhantes; e, embora a água escorresse por seus cabelos, ela ondulava em lindos cachos. Ele parecia exatamente como um anjinho, mas estava tão pálido e todo o seu corpo tremia de frio. Ele tinha um belo pequeno arco na mão, mas estava bastante estragado pela chuva, e os matizes de suas flechas coloridas correram um contra o outro.

O velho poeta sentou-se ao lado da lareira e levou o pequeno no colo; ele espremeu a água pingando dos cabelos, aqueceu as mãos entre as dele e cozinhou para ele um pouco de vinho doce. Então o garoto se recuperou, suas bochechas ficaram novamente rosadas, pulou do colo onde estava sentado e dançou em volta do tipo velho e poeta.

"Você é um sujeito alegre", disse o velho. "Qual o seu nome?"

"Meu nome é Cupido", respondeu o garoto. "Você não me conhece? Aí está meu arco; ele dispara bem, posso garantir! Olha, o tempo está clareando e a lua brilhando novamente pela janela."

"Ora, seu arco está estragado", disse o velho poeta.

"Isso foi realmente triste", disse o garoto, e ele pegou o arco na mão - e o examinou por todos os lados. "Oh, está seco novamente e não está machucado; o fio está bem apertado. Vou tentar diretamente." E ele dobrou o arco, mirou e atirou uma flecha no velho poeta, dentro de seu coração. "Você vê agora que meu arco não foi estragado", disse ele rindo; e para longe ele correu. O garoto travesso, para atirar no velho poeta dessa maneira; aquele que o levara ao seu quarto quente, que o tratara com tanta gentileza e que lhe dera vinho quente e as melhores maçãs!

O pobre poeta jazia na terra e chorava, pois a flecha realmente voara em seu coração. "Que droga!" disse ele. "Quão travesso é um garoto, Cupido! Vou contar a todas as crianças sobre ele, para que tomem cuidado e não brinquem com ele, pois ele só lhes causará tristeza e muitas dores de cabeça."

E todos os bons filhos a quem ele contou essa história prestaram muita atenção a esse Cupido travesso; mas ele ainda os fez de tolos, pois é espantosamente astuto. Quando os estudantes universitários vêm das palestras, ele corre ao lado deles com um casaco preto e com um livro debaixo do braço. É completamente impossível para eles conhecê-lo, e andam com ele de braços dados, como se ele também fosse um estudante como eles; e então, despercebido, ele joga uma flecha no peito deles. Quando as jovens donzelas passam por serem examinadas pelo clérigo, ou vão à igreja para serem confirmadas, lá está novamente atrás delas. Sim, ele está sempre seguindo as pessoas. Na peça, ele se senta no grande lustre e queima em chamas brilhantes, para que as pessoas pensem que é realmente uma chama, mas logo descobrem que é outra coisa. Ele anda pelo jardim do palácio e pelas muralhas: sim, uma vez que ele atirou em seu pai e sua mãe no coração. Peça apenas a eles e você ouvirá o que eles dirão. Oh, ele é um garoto travesso, aquele Cupido; você nunca deve ter nada a ver com ele. Ele está sempre correndo atrás de todo mundo. Apenas pense, ele atirou uma flecha uma vez na sua velha avó! Mas isso foi há muito tempo e agora é passado; no entanto, uma coisa desse tipo ela nunca esquece. Que droga, Cupido travesso! Mas agora você o conhece e também sabe como ele é mal-comportado!



Veja também[editar]