Contos de Grimm/O valente alfaiatezinho

Wikisource, a biblioteca livre
< Contos de Grimm
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos de Grimm
por Irmãos Grimm
20 – O valente alfaiatezinho


“'Contos Infantis dos Irmãos Grimm
O pequeno alfaiatezinho”'
InicialE.svg
ra uma vez, numa manhã de verão, um pequeno alfaiate que estava costurando à sua mesa perto da janela, ele estava muito bem humorado, e costurava tudo que podia. De repente, ele viu uma camponesa que descia a rua gritando: "Geléia boa e barata! Geléia boa e barata!" Isso soou como uma melodia aos ouvidos do pequeno alfaiate, então ele esticou a sua cabeça para fora da janela e disse: "Suba até aqui, minha boa senhora, e a senhora vai se livrar de alguns dos seus produtos."

A mulher subiu três degraus até o alfaiate com a sua pesada cesta, e ele fez com que ela abrisse todos os potes de geléia para que fossem examinados. Ele inspecionou todos os potes de geléia, levantou-os, e cheirou, e finalmente disse: "A geléia me parece estar boa, então pese para mim cem gramas, minha senhora, e se passar um pouquinho não tem problema."

“'Contos Infantis dos Irmãos Grimm
Projeto Gutenberg”'

A vendedora, que esperava fazer uma boa venda, lhe entregou o que ele pediu, mas foi embora brava e resmungando. "Ora, Deus abençoe a geleia que eu vou usar," disse o pequeno alfaiate, "e me dê saúde e força", então ele foi até o armário e pegou alguns pães, cortou um pedaço e espalhou a geléia sobre o pão. "Isso é muito gostoso", disse ele, mas eu vou terminar a jaqueta antes de dar uma mordida nele.

Ele colocou o pão perto dele, continuou costurando, e cheio de alegria, fez muitos e muitos pontos. Enquanto isso, o cheiro do doce de geléia já subia a parede, onde as moscas começavam a sentar em grande quantidade, porque elas tinham sido atraídas e pousavam sobre a geléia como se tivessen sido convidadas. "Olá! quem chamou vocês?" disse o pequeno alfaiate, e expulsou os convidados enxeridos.

InicialA.svg
s moscas, todavia, que não entendiam o que ele falava, não queriam ser expulsas, e voltavam novamente trazendo mais convidados. Então o pequeno alfaiate finalmente perdeu toda a sua paciência e e pegou um pedaço de pano do buraco que havia debaixo de sua mesa de trabalho, e disse: "Esperem, e vocês terão o que merecem," e bateu impiedosamente na mesa. Depois que ele as expulsou, ele teve o trabalho de contar, e ali estavam diante dele nada menos que sete moscas, mortas e com as perninhas esticadas.

"Você é mesmo um cara de sorte?" disse ele, e não conseguia deixar de admirar a sua própria bravura. "A cidade inteira precisa ficar sabendo disso!" E o pequeno alfaiate foi correndo cortar uma faixa, costurou-a, e a bordou com letras graúdas, "Sete com um só golpe!" "Não só a cidade!", continuou ele, "o mundo todo precisa ouvir falar disso!" e o seu coração vibrava de alegria como a cauda de um cordeiro.

O alfaiate colocou a faixa, e decidiu sair pelo mundo, porque ele achava que o seu ateliê era pequeno demais para o seu talento. Antes de sair, ele procurou pela casa para ver se havia alguma coisa que ele pudesse levar na viagem, todavia, ele não encontrou nada, exceto um pedaço de queijo, que ele colocou no bolso. Na frente da sua casa ele viu um pássaro que havia ficado enroscado no mato.

Ele o colocou no bolso junto com o queijo. Então ele pegou a estrada corajosamente, e como era leve e veloz, ele não sentia cansaço. A estrada o levou até uma montanha, e quando ele tinha alcançado o ponto mais alto da montanha, lá estava um prodigioso gigante olhando ao redor todo tranquilo.

InicialO.svg
pequeno alfaiate continuou audacioso, falou com ele, e disse: "Bom dia, camarada, então você está sentado aí apreciando a beleza e a grandeza do mundo! Eu estou andando pelo mundo para tentar a minha sorte. Será que você estaria disposto a vir comigo?" O gigante olhou com desprezo para o alfaiate, e disse: "Escuta aqui, seu pirralho! Seu, pobre infeliz!"

"Ah, é?" respondeu o pequeno alfaiate, e desabotou o casaco, e mostrou ao gigante a faixa, "Agora você vai saber que tipo de homem eu sou!" O gigante leu, "Sete com um só golpe", e pensou que tinham sido alguns homens que o alfaiate tinha matado, e começou a sentir um pouco de respeito pela diminuta criatura. Não obstante, ele quis tentá-lo primeiro, e pegou uma pedra na mão e a espremeu tanto que até água saiu dela.

"Faça isso também," disse o gigante, "se você tem força?" "Só isso?", disse o alfaiate, "isso para mim é brinquedo de criança!" e colocou a sua mão no bolso, e retirou o pedaço de queijo, e o pressionou até que saiu líquido dele. "Tem que ter fé," disse ele, "isso foi um pouco melhor, não foi?" O gigante não sabia o que dizer, e não conseguia acreditar no que ele tinha visto.

Então o gigante pegou uma pedra e a atirou tão alto que mal os olhos podiam acompanhar a subida. "E então, pequena migalha de gente, faça isso também." "Você atirou bem," disse o alfaiate, "mas depois todas as pedras voltaram para a terra novamente, eu vou lançar uma que jamais voltará," e ele colocou a mão no bolso, tirou o pássaro para fora, e o lançou para o alto.

InicialO.svg
pássaro, feliz por ter-se libertado, subiu, voou para longe e jamais retornou. "O que você achou dessa jogada, camarada?" perguntou o alfaiate. "Você certamente atirou longe", disse o gigante, "mas agora queremos ver se você é capaz de carregar alguma coisa de modo apropriado." Ele levou o pequeno alfaiate até um pé de carvalho gigante que estava lá caído no chao, e disse: "Se você é forte o bastante, ajude-me a levar esta árvore para fora da floresta."

"Isso é moleza," respondeu o pequeno homem, "pegue você o tronco nos teus ombros, e eu levantarei os galhos e os ramos, afinal de contas, eles são mais pesados." O gigante colocou o tronco no ombro, mas o alfaiate se sentou em um galho, e o gigante, que não conseguia olhar ao redor, teve de carregar a árvore inteira, e o pequeno alfaiate ainda por cima: ele atrás, estava todo alegre e feliz, e assobiava a canção: "Três alfaiates atravessaram o portão," como se carregar a árvore fosse muito fácil.

O gigante, depois de ter levado a carga pesada por um pedaço do caminho, não conseguia andar mais, e gritou: "Escute, vou ter de deixar a árvore cair!" O alfaiate pulou rapidamente, segurou a árvore com as duas mãos, como se ele a estivesse carregando, e disse para o gigante: "Você é realmente muito grande, mas não consegue nem sequer levar uma árvore!"

Eles continuaram juntos, e quando eles ultrapassaram um pé de cerejeira, o gigante segurou no topo da árvore onde ficavam as frutas mais maduras, a inclinou, entregou-a na mão do alfaiate, e falou para que ele comesse. Mas o pequeno alfaiate era muito fraco para segurar a árvore, e quando o gigante a soltou, o galho deu um pulo novamente, e o alfaiate foi lançado no ar junto com o galho. Quando ele caiu novamente sem se machucar, o gigante disse: "Mas o que é isto? Você não tem força o bastante para segurar um galho fraco?" "Não se trata de falta de força," respondeu o pequeno alfaiate "Você acha que alguma coisa poderia acontecer com um homem que derrubou sete com um só golpe? Eu pulei por cima da árvore porque os caçadores estavam atirando no matagal lá embaixo. Salte você também, se você é capaz de fazer isso." O gigante tentou, mas não conseguiu subir na árvore, e ficou pendurado nos galhos, do mesmo modo que o alfaiate também tinha ficado com as mãos levantadas.

InicialO.svg
gigante disse: "Se você é uma pessoa valente, vamos comigo na minha caverna para passarmos a noite juntos." O pequeno alfaiate estava querendo e o acompanhou. Quando eles entraram na caverna, outros gigantes estavam sentados ali, perto da fogueira, e cada um deles segurava uma ovelha assada nas mãos e estava comendo. O pequeno alfaiate olhou ao redor e pensou: "Há mais espaço aqui do que no meu ateliê."

O gigante lhe mostrou uma cama, e disse que era para ele deitar e dormir nela. A cama, no entanto, era grande demais para o pequeno alfaiate, ele não quis deitar nela, mas ficou encolhido num canto. Quando era meia noite, e o gigante pensou que o pequeno alfaiate estava dormindo com sono profundo, ele se levantou, pegou uma barra de ferro grande, e atravessou a cama com um só golpe, e pensou que ele tivesse dado no gafanhoto o golpe final.

Bem de manhãzinha os gigantes foram para a floresta, e já tinham totalmente se esquecido do pequeno alfaiate, quando de repente este caminhou em direção a eles, alegre e corajoso. Os gigantes ficaram assustados, eles ficaram com medo que ele os matasse a todos, e correram apressados.

O pequeno alfaiate seguiu em frente, andando sempre com seu nariz empinado. Depois de caminhar por algum tempo, ele chegou a um pátio do palácio real, e como ele estava cansado, ele se deitou na grama e adormeceu. Enquanto ele ficou deitado ali, as pessoas vinham e o examinavam de todos os lados, e liam o que estava escrito na faixa, "Sete com um só golpe." "Ah, disseram eles, "O que faz o grande guerreiro aqui em pleno período de paz? Ele deve ser um poderoso senhor."

Eles foram e o anunciaram ao rei, e eram de opinião de que se houvesse uma guerra, ele seria uma pessoa importante e útil e que de forma alguma não deveriam deixá-lo partir. A sugestão agradou ao rei, então, ele enviou um de seus cortesãos até o pequeno alfaiate para oferecer a ele serviço militar quando ele acordasse.

O embaixador esperou de pé ao lado do alfaiate que dormia, esperou até que ele esticasse suas pernas e abrisse os olhos, e só então, transmitiu a proposta que o rei tinha feito. "E é para isso mesmo que eu vim até aqui," respondeu o alfaiate, "Estou pronto para servir ao rei." Ele foi então, recebido com honras, e um aposento em separado lhe foi reservado.

Os soldados, no entanto, começaram a se indispor com o pequeno alfaiate, e preferiram manter distância dele. "Como será que tudo isto vai terminar?" diziam eles entre si mesmos. "Se um de nós discute com ele, e ele o desafia, todos nós seremos derrotados a cada investida dele, assim, nenhum de nós poderá enfrentá-lo." Então, ele chegaram a uma conclusão, se apresentariam diante do rei e pediriam demissão.

"Nós não estamos preparados," disseram eles, "para acompanharmos um homem que mata sete com um só golpe." O rei lamentou que por causa de um ele fosse perder todos os seus criados leais, e desejou jamais ter colocados os olhos no alfaiate, e agora desejava se livrar dele novamente. Mas ele não tinha coragem de demiti-lo, agora, pois ele temia ser morto junto com todos os seus súditos, e sentou-se no trono real.

InicialE.svg
le ficou pensando nisso durante muito tempo, e finalmente chegou a bom termo. Mandou que fossem até o pequeno alfaiate e o informassem que como ele era um guerreiro muito valoroso, o rei tinha um pedido para fazer a ele. Na floresta daquela região viviam dois gigantes, que causavam grande confusão por causa de roubos, assassinatos, saques, e queimadas, e ninguém conseguia chegar perto deles sem correrem risco de morte.

Se o alfaiate derrotasse e matasse os dois gigantes, ele concederia a mão da sua única filha como esposa, e ainda metade do reino como dote, e também uma centena de cavaleiros iriam com ele para auxiliá-lo. "Essa será uma tarefa perfeita para um homem como eu!" pensou o pequeno alfaite. Ninguém oferece uma linda princesa e metade do reino todos os dias na vida de uma pessoa!" "Oh, sim," respondeu ele, "eu derrotarei os gigantes, e não vou precisar da ajuda dos cem cavaleiros que o senhor me prometeu, aquele que derrotou sete com um só golpe, não precisa ter medo de dois."

O pequeno alfaiate foi embora, e os cem cavaleiros o seguiram. Quando ele chegou nas proximidades da floresta, ele disse para aqueles que o acompanhavam: "Quero que vocês fiquem esperando aqui, sozinho eu vou derrotar os gigantes." Então ele partiu com destino à floresta e olhava para a direita e para a esquerda. Depois de algum tempo ele notou a presença de alguns gigantes. Eles estavam dormindo debaixo de uma árvore, e roncavam tanto que os galhos eram soprados para cima e para baixo.

O pequeno alfaiate, que não era tolo, havia enchido dois bolsos cheios de pedras, e subiu na árvore levando as pedras consigo. Quando ele já havia subido metade do caminho, ele escorregou por um galho, e ficou sentado bem na direção dos dorminhocos, e depois começou a jogar uma pedra depois da outra no peito de um dos gigantes. Durante algum tempo o gigante não sentiu nada, mas, finalmente, ele acordou, empurrou o seu companheiro, e disse: "Porquê você está me batendo?" "Você deve estar sonhando," disse o outro, "eu não estou batendo em você."

Eles deitaram e dormiram novamente, e então, o alfaiate atirou uma pedra no segundo. "Mas o que significa isto?" exclamou o outro. "Porquê você está atirando pedras em mim?" "Eu não estou atirando pedras em você," respondeu o primeiro, resmungando. Eles discutiram ainda durante algum tempo, mas, como eles estavam cansados, eles deixaram a coisa esfriar, e mais uma vez voltaram a dormir. O pequeno alfaiate começou a brincadeira novamente, pegou a maior pedra que tinha, e a atirou com toda a sua força sobre o peito do primeiro gigante.

"Isso já foi demais!" reclamou ele, e se levantou que nem louco, e empurrou o seu companheiro contra a árvore que até ela tremeu. O outro lhe retribuiu na mesma moeda, e os dois ficaram tão furiosos que até árvores eles arrancaram e ficaram ridicularizando um ao outro durante longo tempo, até que os dois ao mesmo tempo cairam mortos no chão. "Então, o pequeno alfaiate desceu da árvore. "Foi uma sorte muito grande", disse ele, "que eles não arrancaram a árvore onde eu estava sentado, ou eu teria de pular para uma outra como se fosse um esquilo, mas, nós, alfaiates, somos espertos."

InicialE.svg
le tirou a sua espada, e deu em cada um deles algumas cutucadas no peito, e depois foi até os cavaleiros e disse: "Missão cumprida, acabei de aplicar nos dois o meu golpe de misericórdia, mas, não posso negar, foi um trabalho muito difícil! Eles desesperados chegaram a arrancar árvores, mas, de nada adiantou tudo isso, quando chega um homem como eu, que pode matar sete com um só golpe."

"Mas, você não está ferido?" perguntaram os cavaleiros. "Vocês não precisam se preocupar com isso," respondeu o alfaiate, "eles não conseguiram tocar nem sequer em um fio de cabelo meu." Os cavaleiros não queriam acreditar nele, e cavalgaram até a floresta, lá eles encontraram os gigantes mortos numa poça de sangue, e por toda parte, estavam as árvores que haviam sido derrubadas.

O pequeno alfaiate exigiu do rei o cumprimento da promesa, este, no entanto, arrependeu-se da promessa, e novamente voltou a pensar como conseguiria se livrar daquele herói. "Antes de receberes minha filha, e metade do meu reino," disse a ele o rei, "deves realizar mais um feito heróico. Na floresta vive perambulando um unicórnio que causa grandes prejuízos, e tu, primeiro, deves capturá-lo."

"Tenho menos medo de um unicórnio do que de dois gigantes. Sete com um só golpe, é o meu lema." Ele pegou uma corda, e também um machado, e saiu pela floresta, e de novo pediu para aqueles que haviam sido enviados com ele para que esperassem do lado de fora. Ele não precisou esperar muito tempo. O unicórnio logo apareceu e disparou furioso na direção do alfaiate, como se fosse perfurá-lo com o chifre, sem qualquer cerimônia. "Devagar, devagar, você não precisa vir com tanta pressa," disse ele, e ficou parado e esperou até que o animal estivesse bem perto, e então, correu ligeiro para trás da árvore.

InicialO.svg
unicórnio correu atrás da árvore com toda a velocidade, e golpeou o tronco com o seu chifre com tanta força que não conseguiu retirá-lo, e assim ele ficou preso. "Agora, eu peguei o passarinho," disse o alfaiate, e saiu de trás da árvore e colocou a corda em torno do pescoço do animal, e então, com o seu machado, ele cortou fora o chifre que havia ficado preso no tronco, e depois de tudo terminado, ele levou a fera embora e a entregou para o rei.

Mas, o rei ainda não queria lhe dar a recompensa prometida, e fez-lhe uma terceira exigência. Antes do casamento, o alfaiate deveria capturar para a sua majestade um javali selvagem, que estava causando grande devastação na floresta, e os caçadores poderiam lhe ajudar. "Claro!", disse o alfaiate, "isso é mais fácil que tirar pirulito de criança." Ele não quis se fazer acompanhar dos caçadores na floresta, e todos eles ficaram muito felizes por ele não querer, porque o javali selvagem por diversas vezes os recebeu de tal maneira que eles não tinham nenhuma vontade de vê-lo novamente.

Quando o javali viu o alfaiate, ele correu em sua direção, com a boca espumando e com as presas afiadas, e estava quase o atirando ao chão, mas, o valente herói pulou em cima de um chapéu que estava por perto, e subiu na janela imediatamente, e saltou para fora novamente. O javali tentou correr atrás dele, mas, o alfaiate correu para o lado de fora e fechou a porta, e o colérico animal, que era muito pesado e desajeitado para pular a janela, foi agarrado.

O pequeno alfaiate chamou os caçadores para que eles pudessem ver a presa com seus próprios olhos. O herói, todavia, foi até o rei, que, agora, gostasse ou não, foi obrigado a cumprir sua promessa, dando a sua filha e metade do seu reino. Se ele soubesse que diante dele não havia nenhum herói belicoso, mas, um pequeno alfaiate, o que ele sentiu em seu coração teria sido ainda mais forte. O casamento foi realizado com grande magnificência e pouca alegria, pois um alfaiate havia se tornado rei.

InicialU.svg
m dia, a jovem rainha ouviu seu marido dizer durante o sonho enquanto dormia: "Garoto, faça-me o casaco, e remende as minhas calças, ou eu darei alguns piparotes nos teus ouvidos." Então, ela descobriu a origem de nascimento do pequeno nobre, e na manhã seguinte ela se queixou desse engano para o seu pai, e pediu a ele para que a ajudasse a se livrar do marido, que não passava de um alfaiate.

O rei a consolou e disse: "Esta noite, deixe a porta do teu quarto aberta, e meus criados vão ficar do lado de fora, e quando ele tiver dormido, eles entrarão, o amarrarão, e o levarão a bordo de um navio que o levará para um grande viagem." A jovem ficou contente com o plano, mas, o escudeiro do rei, que tinha ouvido tudo, era amigo do pequeno nobre, e lhe informou de toda a trama.

"Vou resolver esse assunto," disse o pequeno alfaiate. À noite, quando ele foi para a cama com sua esposa na hora habitual, e quando ela pensou que ele havia pegado no sono, ela se levantou, abriu a porta, e voltou a se deitar. O pequeno alfaiate, que apenas fingia estar dormindo, começou a gritar bem alto: "Garoto, faça-me o casaco, e remende as minhas calças, ou eu darei alguns piparotes nos teus ouvidos."

"Eu acabei com sete com um só golpe. Matei dois gigantes, fiz com que o unicórnio fugisse para longe, e agarrei um javali selvagem, e ainda vou ter medo desses que estão do lado de fora do quarto." Quando eles ouviram o alfaiate falando desse jeito, eles ficaram muito assustados, e correram desesperados como se um caçador furioso estivesse atrás deles, e nenhum deles nunca mais tentou nada contra ele. Então, o pequeno alfaiate se tornou rei e reinou até o fim de seus dias.