Da tesoura pr’o chanfalho

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Da tesoura pr’o chanfalho
por João Simões Lopes Neto
Publicada originalmente em sua coluna, Balas de estalo, em 16 de setembro de 1889.


Da tesoura pr’o chanfalho
Saltou a meiga polícia;
Pulou com rara blandícia
Da tesoura pr’o chanfalho,
Foi tudo pura carícia...
E o Casimiro é um alho...
Da tesoura pr’o chanfalho
Saltou a meiga polícia.

Gostei de ver a FACHADA
Dos redatores da terra,
Subindo ou descendo a serra
Gostei de ver a fachada.
Porém o que mais m’imperra
É ver a cousa RACHADA...
Gostei de ver a FACHADA,
Dos redatores da terra.

Pois senhores, não foi um,
Um só que tomou rapé!...
E cinco ou seis nos dão fé.
Pois senhores não foi um,
Que ficou cor de café,
E embora digam: nenhum!
Pois senhores, não foi um,
Um só que tomou rapé!...