Diccionario Bibliographico Brazileiro/Angelo Thomaz do Amaral

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diccionario Bibliographico Brazileiro por Sacramento Blake
Angelo Thomaz do Amaral


Angelo Thomaz do Amaral - Nasceu na cidade do Rio de Janeiro, sendo seu pae Antonio José do Amaral 1º; de quem se faz menção neste volume.

Exerceu diversos cargos publicos, quer geraes, quer da provincia do Rio de Janeiro, como o de escrivão da commissão de marinha por nomeação de 25 de setembro de 1841; amanuense e archivista da administração de fazenda; amanuense, archivista, oflicial-maior da secretaria da presidencia; inspector geral das escolas; director do archivo estatistico e director do censo, tudo da referida provincia; director de secção da secretaria de estado dos negocios da marinha e presidente das provincias do Piauhy, do Pará e de Alagôas.

Foi deputado pela provincia do Amazonas e é actualmente negociante matriculado na praça do Rio de Janeiro. E' commendador da ordem de Christo do Brazil e commendador da ordem de Nossa Senhora da Conceição da Villa Viçosa, de Portugal.

Escreveu, além de diversos relatorios das repartições em que serviu, e das províncias que administrou, o seguinte: - Fundação da escola normal de D. Pedro II, na provincia do Grão-Pará. Pará, 1861, 20 pags. in-8º - Era o auctor então presidente do Pará.

- Recenseamento da população da provtncia do Rio de Janeiro no anno de 1850. Rio de Janeiro, 1851.

- Discurso que proferiu na camara temporaria na sessão de 29 de agosto de 1861 o deputado pela provincia do Amazonas Angelo Thomaz de Amaral. Rio de Janeiro, 1861, 37 pags.

- Carta dirigida ao corpo eleitoral da provincia do Amazonas. Rio Janeiro, 1863, 43 pags. in-8.º

Redigiu:

- Jornal da Tarde. Rio de Janeiro, 1869 a 1872. 5 vols.- Foram redactores desta folha, a principio Vivaldi & Pacheco e depois Angelo Thomaz do Amaral. Este jornal foi substituido pela Nação, jornal politico, commercial e litterario que se publicou de 1872 a 1878 sob a redacção de diversos, succedendo seus redactores uns aos outros, e sendo os ultimos o conselheiro Francisco Leopoldino de Gusmão Lobo e o doutor José Maria da Silva Paranhos.