Dicionário de Cultura Básica/Intuicionismo

Wikisource, a biblioteca livre
< Dicionário de Cultura Básica
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dicionário de Cultura Básica por Salvatore D’ Onofrio
Intuicionismo


INTUICIONISMO (doutrina filosófica, sistematizada por H. Bérgson)

Pantarrei ("Tudo corre")
(Heráclito)

Francês, de origem irlandesa, pensador e literato, Henri Bergson (1859–1941) foi um dos maiores expoentes da revolta contra as doutrinas materialistas e mecanicistas, que dominaram a cultura européia na segunda metade do século XIX. Sua reflexão espiritualista sobre a vida e a existência humana encontra-se consignada em obras famosas: Ensaio sobre os dados imediatos da consciência; Matéria e memora; A evolução criadora; O rir; A percepção da mudança; A energia espiritual; Duração e simultaneidade; O pensamento e o movente. Apontamos apenas duas idéias que nos parecem fundamentais no pensamento filosófico de Bergson: o Intuicionismo, intimamente ligado à noção de durée (duração), e o élan vital (a energia da vida). O conceito de "intuição", que opõe o conhecimento direto e imediato da realidade ao pensamento analítico e reflexivo, é bem antigo na história da filosofia no Ocidente. Já o pré-socrático Heráclito de Éfeso exprimia a consciência da fugacidade das coisas e da relatividade da verdade através da bela imagem do homem que não consegue banhar-se duas vezes nas mesmas águas de um rio. Sua expressão pantarrei ("tudo corre") se tornou universalmente conhecida. Platão, por sua vez, tivera a clara consciência da distinção entre o raciocínio discursivo (diánoia) e a apreensão intelectual das essências ou idéias (nóesis). Reflexões sobre a intuição como forma de conhecimento da realidade encontram-se também nas obras de Descartes, Leibniz, Spinoza, Kant, Schelling (→ RacionalismoIdealismo). Mas é Bergson a valorizar decisivamente o papel da intuição. Segundo ele, enquanto o conhecimento através de conceitos apresenta a realidade como algo de estático e imutável, a apreensão pela intuição estabelece uma comunicação direta entre o "eu profundo" (que muda continuamente) e a interioridade dinâmica das coisas. As verdades humanas, portanto, não têm valores absolutos, mas relativos ao sujeito, ao tempo e ao espaço. Da mesma forma, o conceito de duração apresenta a vida como um contínuo fluxo, movida pelo élan vital, uma energia dinâmica que estimula sua constante evolução no tempo. Daí o pensamento bergsoniano ter tido influências decisivas na ficção modernista, especialmente na construção da personagem modelada e no romance de fluxo de consciência, pela descoberta do psicológico, também chamado de "tempo-emoção". A interação entre o pensar e o viver encontra-se sintetizada na famosa expressão de Bérgson: "pense como um homem de ação e aja como um pensador".