Esse disforme, e rigido porraz

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(Esse disforme, e rigido porraz)
por Bocage
Poema agrupado posteriormente e publicado em Poesias eroticas, burlescas e satyricas como Soneto III. Edições posteriores, tal como uma de 1969, atribuem apócrifamente a este poema o título Soneto do Membro Monstruoso.[1]

Esse disforme, e rigido porraz
Do semblante me faz perder a còr;
E assombrado d′espanto, e de terror
Dar mais de cinco passos para traz:

A espada de membrudo Ferrabraz
De certo não mettia mais horror:
Esse membro é capaz até de pôr
A amotinada Europa toda em paz:

Creio que nas fodaes recreações
Não te hão de a rija machina soffrer
Os mais corridos, sordidos cações:

De Vénus não desfructas o prazer:
Que esse monstro, que alojas nos calções
É porra de mostrar, não de foder.

Notas[editar]

  1. MATTOSO, Glauco. Bocage, o desboccado; Bocage, o desbancado. São Paulo: 2002. Disponível em <http://www.elsonfroes.com.br/bocage.htm. Acesso em: 28 maio 2014.