Fabulas de Esopo/A Nora e a Sogra

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
A Nora e a Sogra


FABULA V.


A Nora e a Sogra.

Huma mulher casada, que tinha sogra, estava muito mal com ella, e huma á outra se tinhão má vontade. Acertárão de mandar a esta mulher certas cousas de doce, entre as quaes vinha huma mulher, feita de especie. E disse quem as trazia, que aquella era a figura de sua sogra. Ella partio huma migalha, que metteo na boca, e tornando-a a cuspir, disse: Basta que he sogra, que até de açucar amarga.


MORALIDADE.


Alêm de mostrar esta Fabula huma cousa tão ordinaria como he odio entre noras e sogras, tambem nos ensina quão má cousa he o odio, e quanto para fugir, pois faz que o açucar pareça fel, como se vê muitas vezes, quando a boa obra que hum inimigo faz á outro, elle a não quer aceitar, antes a despresa e tem por má.