Fabulas de Esopo/O Asno e a Cobra

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
O Asno e a Cobra


FABULA VI.


O Asno e a Cobra.

Pedírão os homens a Jupiter, em paga de hum serviço, que nunca envelhecessem, o que elle concedeo. Tomou a mocidade, e pôla sobre hum Asno, e mandou que a levasse aos homens. Indo o Asno seu caminho chega a hum ribeiro com sede: estava nelle huma Cobra, e disse que o não deixaria beber daquella agua, se não lhe désse o que levava ás costas. O Asno, que não sabia o preço, lhe deo a mocidade pela agua. Pelo que os homens ficárão envelhecendo, e as Cobras renovando-se cada anno.


MORALIDADE.


Mostra esta Fabula que as cousas de importancia não se commettem a homens parvos, porque qualquer manhosa cobra com qualquer cousa os vence, e faz que descubrão o segredo alheio, ou desbaratem os negocios, que lhes são commettidos, cujo pezo e importancia não entendem.