Fabulas de Esopo/A Panella de barro e a de cobre

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
A Panella de barro e a de cobre


FABULA I.


A Panella de barro e a de cobre.

Huma corrente de agua levava duas panellas, huma era de cobre, outra de barro, e cada huma hia por sua banda. Disse a de Cobre á outra: Cada huma de nós só não tem força para fazer resistencia á agua, mas chega-te a mim, e ambas poderemos resistir-lhe. Não quero, disse a de barro, nem me vêm bem, porque se na agua tu me deres huma topada, ou ta der a ti, de qualquer maneira tu ficarás sã, e eu far-me-hei em pedaços.


MORALIDADE.


Quem faz bando com homem mais poderoso corre grande risco, porque em fim os poderosos são de cobre, e os pobres de barro, e sempre quebra a corda pelo mais fraco. E se dous poderosos tem brigas, e depois querem concertar-se, fazem tão pouco caso da honra dos pobres, que os ajudárão nellas, que muitas vezes fazem concertos como fez Augusto com Lepido e Marco Antonio, que por se vingarem de seus inimigos, cada hum entregou seus amigos á morte.