Fabulas de Esopo/O Cavallo e o Asno

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
O Cavallo e o Asno


FABULA XLIII.
O Cavallo e o Asno.

Indo o Cavallo com jaezes ricos de seda e ouro de muito preço, encontrou no caminho hum Asno carregado, e disse-lhe com muita soberba: Animal descomedido, porque não me dás lugar e te desvias para que eu passe? Calou e soffreo o pobre Asno. Mas dahi a poucos dias emmanqueceo o Cavallo e pozerão-o de albarda para servir. Acertou o Asno de o achar carregado de esterco, e disse-lhe: Que vai, irmão? Onde está vossa soberba? Porque não mandais agora que me arrede, como fazieis em outro tempo?


MORALIDADE.


Ninguem desprese os pequenos e pobres, por se vêr farto e vestido, ou com honra e officios; porque se mudão as venturas e estados, e a soberba passada não serve mais que de vergonha e injuria presente.