Fabulas de Esopo/O Lobo e o Cabrito

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
O Lobo e o Cabrito


FABULA XXXV.
O Lobo e o Cabrito.

Huma Cabra, indo pastar ao campo, deixou o filho em casa, e mandou-lhe que não abrisse ao Urso nem Lobo que alli viesse, porque morreria. Ida ella, veio hum Lobo, e fingindo a voz de Cabra, começou a affagar o Cabrito, dizendo que lhe abrisse, que era sua mãe. Ouvindo isto o Cabrito, chegou á porta, e por huma fenda olhou e vio o Lobo;, e sem outra resposta virou as costas e recolheo-se em casa. O Lobo foi-se, e elle ficou salvo.

MORALIDADE.

Filhos obedientes a seus paes tudo lhes succede bem. Esta Fabula nos avisa que guardemos sempre esta obediencia, e tambem que não nos fiemos em palavras brandas; porque quem á pura força não se atreve a dar-nos, quanto mais peçonha traz no coração, tanto mais mel mostra a lingua; que a peçonha não se dá senão nos manjares mais saborosos.