Fantina/XXXIX

Wikisource, a biblioteca livre
< Fantina
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
XXXIX
por Francisco Badaró


A noute caira triste.

D. Luzia tendo tomado um narcotico dormiu ; e descançava tendo juncto do leito a Joaquininha que velava sobre o travesseiro materno banhando-o de lagrimas.

Frederico no escriptorio endereçava uma carta ao delegado de policia pedindo-lhe que fizesse o Daniel seguir com os outros presos condemnados para Ouro Preto.

Fantina meio fóra de si, saltou sobre todos os temores e chegou ao escriptorio. Uma pallidez larga cobria o seu semblante formoso, producto do crusamento de duas raças. Frederico ao ve-la levantou-se e disse :

— Estou acabando uma carta que manda embora o Daniel ; está nas mãos de vossê dar-lhe a vida e a liberdade, porque elle vae ser enforcado como auctor do crime.

Fantina cahiu-lhe aos pés soluçando.

— Senhor, salvae o infeliz que é odiado só porque me ama ! Eu sou uma escrava, mas tenho um coração puro.

Frederico ria.

— Não, Fantina, isso é tolice. Si você fiser o que eu quero, amanhã estará casada com elle. Abandona essas idéas : Daniel só quer Fantina. De qualquer fórma elle aceita.

A mulatinha de joélhos ficara muda.

A dôr que invadiu-lhe a alma era tão grande, que varreu-lhe as idéas do cérebro, como o vento varre as folhas seccas de uma planicie.

— Deixa, Fantina, e amanhã você será d'elle.

E com um movimento rapido pegou-lhe pela cintura, Fantina já meio desmaiada só poude deixar escapar dos labios semi-mortos a palavra—Jesus !

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


PD-icon.svg Este material está em domínio público nos Estados Unidos e demais países que protejam os direitos autorais por cem anos (ou menos) após a morte do autor.