Fantina/XXXVIII

Wikisource, a biblioteca livre
< Fantina
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
XXXVIII
por Francisco Badaró


Os males de D. Luzia progrediam ; todos os symptomas de envenenamento appareciam. Só depois do dia bem alto é que ella se erguia do leito, em cujas bordas se via uma mezinha recheiada de vidros e embrulhos..

Alguns facultativos já haviam manifestado opiniões tristes : indagavam, escutavam, e atinai o diagnostico era hypothetico ; porque os enfartes lymphaticos, as ulceras escrofulosas eram de um caracter sui generis. Dôres agudas nas articulações tarsicas dos pés, acompanhadas de inchação, faziam pensar em um rhematismo gottoso.

Depois de muitas receitas improficnas, Frederico resolveu ir á capital da provincia, onde com grande e justa fama corria o nome do Dr. Eugenio Nogueira, de muito tino e d'uma prudencia nunca vista, diziam.

Durante o plano da viagem Frederico luctou com a tenacidade olympica de Daniel, que malograva os seus intentos de corrupção. Muito enraivecido procurava um meio de remover do caminho aquelle rochedo de granito. Afinal Frederico lembrou-se de um meio : havia poucos dias que apparecera um homem todo esfaqueado nas terras da fazenda, e procediam á severas indagações policiaes. Lembrou-se então de apontar Daniel como cumplice ou auctor do crime.

Gozando da supermacia que dá a riqueza, impoz ao delegado a prisão do rapaz. Fantina soube, chorou muito e quiz suicidar-se atirando-se ao rio ; mas Daniel ainda solto, encorajou-a. Batida todos os dias pelos argumentos vibrantes de Frederico, a fragil mulatinha parecia uma rocha onde as ondas em ura remegir lacoontico arrastavam-se, espadanando-se em recôncavos de surdos escarcéos. Por momentos dirse-hia sepultada nos horrores da perdição; mas, quanto mais subia a onda inimiga, tanto mais alta sobrenadava a arca de seus votos ardentes.

---------------------

Partiram para a Capital, e Daniel corrido, perseguido por todos os lados, foi victima da sanha policial. Com a casa cercada por deseseis praças mercenarias, o rapaz tomou a faca e a garrucha, subiu ao tecto da casa e dahi passou á cumieira.

Os soldados em um ardòr canibal arrombaram as portas, fizeram grande berreiro quando não encontraram o criminozo, espancaram duas velhas que ainda dormiam, e espantaram um primo de Daniel que atirou-se por boqueirões profundos ; e depois um dos guardas que ficaram na porteira apitou e os outros avançaram.

Viram onde estava a caça : deram ordem de prisão. O rapaz mesmo com a sua ingenuidade burgueza não quiz obedecer, dizendo não ser criminozo. O mastino em chefe mandou o movimento de fògo. Elle, porém, não se acobardou ; e assim ficariam os soldados o resto do dia, si aos rogos e choros da sua velha mãe e tia não se resolvesse a entregar.

— Entrega, meu filho, que seu Frederico te hade fazer voltar;—dizia entre lagrimas a desvalida mãe.

— Deus te hade favorecer, porque es o arrimo de uma pobre e imprestavel velha ; dizia-lhe a tia.

Amarrado ao rabo dos cavallos, como um porco, foi Daniel levado para a cadeia. Por um mez esteve elle vegetando entre quatro paredes humidas, infectas, onde o ar era azêdo.

A natureza creada ao ar livre, expandindo-se pelos campos mirrava-se como o arbusto dos tropicos que é transplantado para os pólos. Quando D. Luzia voltou desesperançada, soube da prizão do afilhado e disse a Frederico que desse as providencias para livra-lo da impulação do crime. Como cada vez ella peorava, a energia moral foi se enfraquecendo.

Na hora das supremas agonias, quando o coração de Fantina golfava sangue, ferido pela desventura, Frederico apparecia-lhe offerecendo balsamo : mas um momento ella parava, voltava a si e tinha asco da surdida troca que o senhor queria.Era Mephisthofeles rindo-se juncto do cadaver de Fausto. Fantina no seu desespero lacoontico, preferia morrer que trahir a Daniel.

— Prefiro a morte com elle preso no fundo da cadeia ; e cahia sem forças sobre a cama onde Pedro, o paigem, dava noticias de Daniel.

A velha Roza seguia estas peripecias como uma sombra, procurava o momento de descarregar o ultimo e certeiro golpe.

— Não desespere, menina; sinhô já serviu a você da outra vez. agora também pedindo elle serve.

Fantina achava isto infame. A humilhação cortava-lhe a alma como uma navalha afiada ; mas a velha Roza trazia-lhe á memória cousas tristes. Fallava da vida horroroza que Daniel ia ter ; que se ella não o salvaste poderia morrer no fundo da cadeia de OuroPreto, terror da imaginação popular.

Talvez que elle lá morresse e nem sequer enterrariam o seu corpo. Seria atirado aos cães nocturnos ou aos abutres das praias.

— Si você ama deveras a elle,—dizia Roza,—não deve ter medo. Vá pedir a Sinhô, si não o pobre rapaz está perdido.

Fantina ficou perturbada. Um vácuo lhe encheu o cerebro abrazado.


PD-icon.svg Este material está em domínio público nos Estados Unidos e demais países que protejam os direitos autorais por cem anos (ou menos) após a morte do autor.